Começa hoje a Movimat – Salão Internacional da Logística, evento que traz soluções completas para toda a cadeia



A MOVIMAT – Salão Internacional da Logística Integrada tem início hoje, dia 20, Pavilhão Branco do Expo Center Norte, em São Paulo, e, vem para apresentar as novidades do setor, impulsionar ainda mais o segmento, proporcionando o encontro de grandes marcas do mercado. Entre os destaques, a XX Conferência Nacional de Logística (CNL), evento simultâneo à MOVIMAT e organizada pela Associação Brasileira de Logística (ABRALOG), apresentará o tema “Experiência da Logística Olímpica”, que contará com a presença de Maurício Gonçalves, gerente de Logística da Rio 2016 e, José Furian Filho, vice-presidente de Logística dos Correios.
Promovida pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, a MOVIMAT está consolidada como o principal evento da cadeia logística e envolverá os seguintes setores: Intralogística (elevação e movimentação, automação, empilhadeiras, armazenagem e embalagem), Condomínios Logísticos (Real Estate), Multimodalidade, Segurança e Gerenciamento de Risco e Tecnologia da Informação.
“A MOVIMAT atrai um público altamente qualificado e notamos um aumento substancial nos visitantes com perfil de compra e planejamento. O número de pré-credenciados já superou o da edição anterior. Nossas as expectativas são muito positivas para a geração de negócios a partir da feira”, afirma o vice-presidente da Reed Exhibitions Alcântara Machado, Paulo Octávio Pereira de Almeida, empresa que promove a MOVIMAT.

SERVIÇO:
MOVIMAT – SALÃO INTERNACIONAL DA LOGÍSTICA INTEGRADA
Data: 20 a 22 de setembro de 2016
Horário: das 13h às 20h
Local: Expo Center Norte – Pavilhão Branco
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme | São Paulo-SP


Continental constrói centro de pesquisa para borracha feita a partir do dente-de-leão

Laboratório impulsionará o cultivo e o processamento do vegetal para a produção de pneus

A partir da construção de um centro de pesquisa para a industrialização do cultivo e o processamento da borracha oriunda do dente-de-leão, a Continental planeja expandir seu projeto batizado de Taraxagum. O projeto é conduzido em colaboração com o IME Fraunhofer Institute, com o Julius Kühn Institute e com especialistas em desenvolvimento de plantas de Eskusa, em Parkstetten, na Alemanha.
A empresa investirá aproximadamente 35 milhões de euros na primeira fase do projeto. “A construção do Laboratório Taraxagum é parte de nosso consistente esforço de implementação da estratégia de crescimento de longo prazo Visão 2025, que envolve pesados investimentos em nossas capacidades de produção e de pesquisa”, disse Burkhardt Köller, chairman do Management Board da Continental Reifen Deutschland GmbH e chefe do Controlling na divisão de Pneus da Continental.
“Com o Laboratório Taraxagum alcançamos um marco nesse projeto”, explica Andreas Topp, chefe de Material, Desenvolvimento de Processos e Industrialização de Pneus da Continental. “Esse projeto excitante tem sido desenvolvido em um ritmo promissor. Uma pequena série de pneus Taraxagum, com a banda feita integralmente de borracha de dente-de-leão, foi testada contra pneus convencionais feitos de borracha natural e os resultados foram extremamente positivos. Agora, nós queremos avançar para a produção em série de Taraxagum e com o novo laboratório estamos criando as fundações para isso”, diz.
A Continental começou a trabalhar no desenvolvimento de Taraxagum há cerca de cinco anos. O dente-de-leão russo foi cultivado de modo a poder ser produzido em maiores quantidades do que a borracha tradicional derivada das árvores tropicais. Novos processos e métodos de produção também estão sendo desenvolvidos para produzir a borracha empregada na produção de pneus e de outros produtos a partir da seiva de látex da raiz da planta.
Nas experiências iniciais, a Continental produziu pneus de inverno para carros de passeio e autopeças. O dente-de-leão também pode ser cultivado no Norte e no Oeste da Europa, fazendo com que seja muito mais curta a rota de transporte entre os locais de produção no continente, contribuindo assim para um uso sustentável e socialmente viável dos recursos existentes.


Projeto sustentável rende o selo Gold da certificação Leed ao Golgi Seropédica

Empreendimento é o primeiro do estado do Rio de Janeiro a obter o reconhecimento

O condomínio Golgi Seropédica, localizado no município de Seropédica (RJ) e pertencente à incorporadora Golgi, é o primeiro no estado do Rio de Janeiro – e o segundo em todo o país – a conquistar o nível Gold da certificação Leadership in Energy and Environmental Design (Leed), concedida pelo U. S. Green Building Council.
O selo atesta os mais altos padrões internacionais de construção sustentável, desde a fase de projeto até a operação. Além disso, a certificação assegura que foram tomadas medidas para oferecer mais qualidade no ambiente de trabalho para todos os ocupantes do empreendimento.
Para garantir a eficiência hídrica e reduzir o consumo de água no Golgi Seropédica, o paisagismo foi feito utilizando espécies nativas e foram instalados dispositivos redutores de vazão e arejadores nas torneiras, chuveiros e mecanismos de descarga dual flush. Além disso, o sistema de irrigação utiliza água das estações de tratamento de esgoto.


O condomínio conta também com alta eficiência energética, com chuveiros com aquecimento solar, priorização da iluminação natural para manter as luzes desligadas durante o dia, isolamento térmico, pintura de paredes e pavimentos com cores claras, uso de telhas de alta refletância e ventilação natural. Tudo isso proporcionou uma redução de 37% do consumo de energia.
Pensando na segurança dos ativos e colaboradores, o empreendimento conta ainda com padrão rigoroso de segurança 24 horas por dia, por meio de operação profissional terceirizada que inclui portaria com eclusas, guarita blindada, circuito fechado de TV, sala de controle de segurança, perímetro monitorado com duplo cercamento, cercas eletrificadas, dilaceradores de pneus e controle de acesso por biometria.
Situado próximo ao entroncamento do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro com a Rodovia Presidente Dutra, o Golgi Seropédica apresenta acesso facilitado ao Porto de Itaguaí e seu polo siderúrgico, aos polos petroquímicos de Duque de Caxias e Itaboraí, ao Aeroporto do Galeão, à cidade de São Paulo e aos grandes centros consumidores e principais portos do país.
Construído em um terreno de 522 mil m², o projeto do Golgi Seropédica conta com uma área total de 241 mil m² para armazenagem. Atualmente, 53 mil m² correspondentes à primeira fase do empreendimento, no galpão A, estão locados para uma operação de e-commerce, e 32 mil m² estão disponíveis para locação imediata. Além disso, o galpão B já está disponível para locação.
A estrutura conta também com pátio externo para carretas e vagas internas, além de áreas comuns que atendem a colaboradores, terceirizados e fornecedores com auditório, salas de reuniões, vestiários, restaurante e áreas de convivência e de apoio ao caminhoneiro. No primeiro semestre de 2017 entrará em operação, com 250 mil m², outro condomínio da empresa, o Golgi Duque de Caxias (RJ).


Maior termelétrica movida a biogás de resíduos sólidos urbanos do Brasil é inaugurada no Estado de São Paulo

Empreendimento representa um importante reforço energético para São Paulo e tem a sustentabilidade ambiental como pilar


Com potência instalada de 29,5 MW e investimentos de mais de R$ 100 milhões, foi inaugurada nesta sexta-feira, 16 de setembro, em Caieiras, região metropolitana de São Paulo, a maior termelétrica movida a biogás de aterro sanitário do Brasil e uma das maiores do mundo.
Representando o governador Geraldo Alckmin, o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, destacou a importância da geração desse tipo de energia. “A primeira coisa que o homem produz no ambiente urbano é lixo e uma das principais necessidades do ser humano nos dias atuais é a energia elétrica. Além de dar segurança energética ao centro de carga do país, essa usina realiza um dos principais desafios do mundo moderno, que é transformar resíduos urbanos em energia elétrica limpa”, afirmou.


A Termoverde Caieiras, que pertence ao Grupo Solví, foi construída na Central de Tratamento e Valorização Ambiental (CTVA) da Essencis, no km 33 da Rodovia Bandeirantes, e gera energia limpa a partir do resíduo depositado no aterro sanitário da Essencis. O gás metano, o principal componente do biogás, é o combustível utilizado para a geração de energia.
“Mesmo em tempos de crise econômica, o conselho deliberativo teve a coragem de aprovar um investimento desse valor gerando emprego e apoiando o meio ambiente. Estamos aqui deixando um legado”, destacou o diretor técnico do grupo Solví, Eleusis Creddo.
A usina foi construída em uma área de 15 mil metros quadrados e teve autorização da Aneel para iniciar a operação em julho de 2016. Como contrapartida ambiental, a Termoverde Caieiras realizou a preservação da vegetação e da fauna local, a manutenção da topografia existente, a não geração de odores e a isenção de riscos de poluição de mananciais e da atmosfera.
“Parabenizamos o grupo Solví por essa inauguração, por acreditarem no Brasil e na cidade de Caieiras”, disse o prefeito do município, Roberto Hamamoto.
A produção da usina é suficiente para abastecer até 130 mil residências, segundo a empresa.

Fonte: Energia SP

''Brasil viverá em 2018 o início do maior ciclo de prosperidade de sua história'', afirma Eduardo Tevah

Eduardo Tevah, um dos palestrantes de maior sucesso na Região Sul, afirma que o Brasil viverá em 2018 o que ele chama de “̤maior ciclo de prosperidade de sua história’’.

Administrador de empresas formado pela UFRGS, especialista em gestão de pessoas, diretor-presidente da DE Consultores Associados e autor de cinco livros (com mais de 300 mil exemplares vendidos), Tevah enfatiza que o Brasil já chegou ao fundo do poço e, partir de agora, inicia-se o processo de retomada.
"A boa notícia, por tudo o que a gente está acompanhando, é que o pior já passou. Não significa que já está bom, mas é possível antever que teremos um final de 2016 com sinais claros de retomada do crescimento econômico”, afirma. Para Tevah, 2017 será bom e 2018 será marcado pelo início de uma era de prosperidade jamais vista na história do Brasil.
A visão do palestrante tem como base viagens pelo Brasil e o contato com os maiores economistas do País. "O mercado está vendo isso de forma bem clara, por isso empresários e trabalhadores precisam estar preparados para aproveitar esta onda e surfar na prosperidade", destaca.

Era da atitude
Segundo o palestrante, o país vive um momento diferente. “Ficou para trás a Era da Informação. Hoje estamos no que se pode classificar como a Era da Atitude. Vive-se uma época da hipercompetição, onde existe muito de tudo. Muitos empresários, muitos médicos, muitos enfermeiros, muitos gerentes, muitos advogados, muitas lojas, muitas indústrias. O que faz a diferença em relação ao mercado não é mais o conhecimento, mas a atitude", diz.

Conhecimento hoje todos têm. Se não tiver, basta digitar na internet que a resposta surge em segundos. "Mas a atitude é atributo de poucos, e o mercado está buscando e remunerando profissionais com atitude, não apenas com conhecimento", ressalta Eduardo Tevah. Para ele, entre um sábio vendedor sem resultados e um vendedor analfabeto com atitude e resultado, o mercado escolherá o analfabeto.

"Não significa que estamos desmotivando a busca pelo conhecimento, mas este precisa estar acompanhado da atitude, que é a aplicação prática do conhecimento. A disputa no mercado, em qualquer ramo, é por profissionais que tenham atitude num mundo em que a hipercompetição é a tônica. Só vencerão as pessoas e as empresas que tiverem um diferencial chamado excelência. As pessoas precisam adotar esta palavra chave em suas vidas. Somente assim será possível desfrutar das benesses de um novo mundo que está prestes a acontecer em nosso País", completa o palestrante.

Vestir a camisa
Eduardo diz que um empresário perguntou recentemente: "O que devo fazer para que meus colaboradores vistam a camisa da empresa?" "Olhei fundo nos olhos do empresário e respondi: não faz nada. Faça com que cada um vista a camisa dos seus sonhos e dos seus projetos de vida para que ele possa dar às pessoas que amam a melhor vida possível. Dê condições para que eles usem a empresa para realizar estes sonhos. Nós não precisamos mais de pessoas vestindo a camisa das empresas, mas pessoas vestindo as camisas de suas famílias e dos seus sonhos. Assim, teremos empresas de sucesso com pessoas de sucesso. Faça hoje o que a maioria não faz para ter amanhã que a maioria não terá", finaliza.

Colaboração: Press Log

Correios apresenta serviço de logística integrada com foco em MPEs

Nesta quinta-feira (15), Dia do Cliente, os Correios apresentaram um novo serviço de logística, voltado ao comércio eletrônico e com foco nas micro e pequenas empresas (MPEs): a solução de logística integrada (e-fulfillment), que suporta operações completas na armazenagem, atendimento de pedidos, separação, embalagem, integração com transporte/distribuição e logística reversa.
A apresentação do serviço foi realizada pelo presidente dos Correios, Guilherme Campos, e pelo vice-presidente de Logística da estatal, José Furian Filho, durante a coletiva de imprensa sobre a Black Friday Legal 2016, em São Paulo (SP), em uma ação que envolveu, além da empresa, a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e a Braspag.
O e-fulfillment prevê uma redução média de 47% nos custos logísticos no e-commerce, que segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) está concentrada em 62,6% com o frete, 19,9% da operação de armazenagem e 17,5% com o manuseio.
O presidente dos Correios, Guilherme Campos, lembrou que a empresa realiza logística desde o seu nascimento, há 353 anos. “Nossa presença, que nos coloca em todas as cidades do país, vem se transformando. O mesmo mundo que tira dos Correios o mercado postal, em declínio, permite aos Correios ampliar sua presença no comércio eletrônico”, afirmou.
O vice-presidente de Logística, José Furian Filho, explicou que o novo serviço possibilita o acesso dos proprietários de micro e pequenas empresas à cadeia logística com um custo reduzido, dando-lhes oportunidade para que foquem energia e recursos nas vendas. “Assim, as chances de essas MPEs crescerem são muito maiores. Isso é uma política de governo, que tem feito grandes esforços para fomentar o segmento, e os Correios, como uma empresa pública, têm essa preocupação também”, disse.
Simplificação — Os produtos poderão ser enviados para destinos nacionais e internacionais, incentivando as exportação pelas MPEs devido à simplificação do processo. A vantagem do modelo é que o empresário não precisa se preocupar com o espaço para armazenagem dos produtos e preparação dos pedidos. Os principais ganhos estão na simplicidade de precificação, por item armazenado e pedido atendido, na redução dos custos fixos logísticos e na celeridade operacional em retirar um produto do estoque e despachar no mesmo dia para entrega. Com isso, além de manterem o foco nas suas atividades-fim, as lojas conseguem atender com escalabilidade as vendas em períodos de grandes demandas em datas especiais, como Black Friday, Natal, Dia das Mães etc. Mais informações sobre o serviço podem ser obtidas no site dos Correios, no endereço www.correios.com.br/ecommercecorreioslog

Infraestrutura — O armazém logístico da empresa em Cajamar (SP) possui 72 mil m² de área total, pé direto livre de 12 metros e 18 mil posições de armazenagem. Com um investimento de R$ 5,5 milhões, os Correios adquiriram licenças de uso permanente de software integrado de gerenciamento de armazéns para operadores logísticos, o Warehouse Management System (WMS). O sistema permite que os clientes tenham acesso ao que há de mais moderno na gestão de estoque e acompanhamento de pedidos on-line, rastreabilidade, cálculo de produtividade, giro de estoque e armazenagem inteligente.

Fonte: Logweb

Vale obtém Licença de Operação para Ramal Ferroviário

Com 101 km de extensão, o Ramal Ferroviário do Projeto de Ferro S11D é uma obra fundamental dentro da logística ferroviária da empresa

A Vale obteve, no dia 14 de setembro, a Licença de Operação (LO) para o Ramal Ferroviário do Projeto de Ferro S11D, expedida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).  A licença, com validade de 10 anos, foi emitida após o órgão ambiental verificar o cumprimento das ações e medidas de controle ambiental executadas pelo projeto durante a Licença de Implantação (LI).
Com 101 km de extensão, o ramal é uma obra fundamental dentro da logística ferroviária do projeto. Por ele, será escoado o minério de ferro produzido na mina, localizada em Canaã dos Carajás (PA), até a Estrada de Ferro Carajás (EFC), em Parauapebas (PA), de onde o produto seguirá para o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, em São Luís (MA). Para o líder executivo do Ramal Ferroviário do S11D, Plinio Tocchetto, a emissão do documento é um marco extremamente importante para o projeto. "Esta licença demonstra todo o empenho da equipe do ramal para entregar uma ferrovia com alta qualidade operacional", diz.
O ramal ferroviário integra o Programa S11D, que inclui ainda a duplicação da EFC e a ampliação portuária de Ponta da Madeira. Todo o empreendimento, que inclui obras de construção de mina, usina e logística ferroviária e portuária no Maranhão e no Pará, está com 79% de suas obras físicas finalizadas. O avanço físico da mina e da usina já ultrapassou 90%, enquanto da parte logística alcançou 70%. Os investimentos totais são de US$ 14,3 bilhões - US$ 6,4 bi aplicados na implantação da mina e da usina e US$ 7,9 bi, referentes às obras de logística e portuária.
As obras do Ramal Ferroviário do Projeto S11D foram iniciadas em fevereiro de 2014 e incluíram a construção de túneis, pontes e viadutos, que tinham como objetivo garantir a menor interferência possível na Floresta Nacional de Carajás (Flonaca). A maior parte do traçado do ramal foi construída em áreas de pastagem, adquiridas por meio de negociação com os proprietários. Do total dos 101 quilômetros, apenas três quilômetros passam pela Flonaca. Neste trecho, foram adotadas soluções de engenharia que tornarão possível a circulação da fauna durante períodos de cheia. Além disso, por toda extensão, foram instaladas 32 passagens para permitir a circulação de animais silvestres em área de floresta. As travessias incluem até passagens para primatas.
O ramal conta com quatro túneis, os primeiros a compor a logística de transporte norte da Vale, com extensão entre 500 e 985 metros. Na construção dos túneis foram usados robôs com braços mecanizados capazes de aplicar concreto a partir de comando remoto. Com a tecnologia de ponta pioneira em obras na região, foi possível reduzir os tempos de concretagem, garantindo maior produtividade e segurança para os trabalhadores das obras.

Hidrovias do Brasil passa a atuar com cabotagem

Empresa entra para o segmento com a aquisição de duas embarcações da Log-In


O segmento de cabotagem brasileiro acaba de ganhar um novo player. A Hidrovias do Brasil, empresa fundada em 2010 que atua no transporte de carga pelos corredores hidroviários na América do Sul, adquiriu duas embarcações da Log-In que operam na logística de bauxita na Região Norte do país.
Além das embarcações – Log-In Tambaqui e Log-In Tucunaré –, a negociação inclui um contrato de longo prazo com a empresa Alumina do Norte do Brasil (Alunorte) para o transporte da bauxita entre Porto Trombetas, no município de Oriximiná (PA) e o Porto de Vila do Conde, em Barcarena (PA).
O processo de negociação durou mais de um ano e demandará um investimento de R$ 680 milhões. Com isso, a Hidrovias do Brasil amplia seu portfólio de serviços e inaugura uma nova frente de negócios. Segundo a própria empresa, a transação ainda está sujeita ao cumprimento de certas condições precedentes estabelecidas no contrato.
A Hidrovias do Brasil foi fundada pelo fundo de infraestrutura do Pátria Investimentos e conta com participações dos investidores Aimco, Temasek, Blackstone, IFC e Banco Nacional de Desenvolvimento Social Participações (BNDESPar).
Também na Região Norte do Brasil, a empresa iniciou recentemente uma operação de transporte de grãos por meio de comboios de barcaças da sua Estação de Transbordo de Cargas (ETC) em Miritituba (PA) até o Terminal de Uso Privado (TUP) nas proximidades de Vila do Conde. Nessa operação, deverão ser movimentadas aproximadamente 1 milhão de toneladas de grãos neste ano, volume que deve chegar a 3 milhões  em 2017 e alcançar 6,5 milhões de toneladas até 2020.
Além disso, a Hidrovias do Brasil atua no Corredor Logístico Sul pela Hidrovia Paraguai-Paraná, com capacidade de movimentação de até 8 milhões de toneladas de cargas diversas, entre commodities agrícolas e minérios, em quatro grandes operações que passam por Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina.


Mira Transportes investe em inovação tecnológica




Pensando principalmente na comunicação com seus colaboradores de filiais e clientes, a empresa teve uma redução de 18% em seus custos de telecom.

Dando continuidade as suas constantes inovações tecnológicas, o Grupo Mira, que reúne as empresas Mira Transportes e Target Logistics, passa a integrar o Office 365 ao seu software.
Priorizando a agilidade na comunicação e a redução de gastos com viagens, o Mira realizou a migração de mais de 400 contas em um mês.
Graças à nova ferramenta, a empresa pode manter uma comunicação em tempo real com seus gerentes de filiais, ampliando assim seu desempenho na produtividade. O Skype for Business no Office 365 modernizou a forma como seus funcionários se conectam uns com os outros.

Segundo o diretor Roberto Mira Junior, tanto a empresa quanto seus clientes se beneficiaram com a mudança. “Nós tivemos uma redução de gastos de cerca de 18% e temos expectativa que, até o final do ano, esse número chegue à casa dos 25%. Além disso, ficou muito mais fácil tratar de assuntos importantes com os clientes de maneira rápida e prática”, afirma.

Já para o gerente de TI, Alexandre Freitas, a grande vantagem foi a facilidade de adaptação que o sistema permite. “Quando há uma mudança como essa, nós sempre esperamos pelo pior. Mas nesse caso, nos surpreendemos, pois os ganhos foram muitos. A ferramenta amigável deixou a transição mais rápida e fácil, além de nos trazer novas possibilidades, como administração online que permite um novo nível de colaboração inteligente”, completa.

Sobre o Mira Transportes – O Grupo MIRA dispõe de duas divisões de negócios; o MIRA TRANSPORTES, empresa de transporte de carga e distribuição em todo o Centro-Oeste do país e aTARGET LOGISTICS, braço logístico do grupo especializado no desenho de soluções para as atividades de logística dedicada realizando todo tipo de atividades nos armazéns tais como: Picking, Packing, Gerenciamento Físico e Fiscal de Estoques, Preparação Especializada de Pedidos, Distribuição pelo sistema fracionado ou de carga completas tão como a gestão de logística reversa. A regular prestação de serviços de transportes para os segmentos da Industria Farmacêutica faz parte integrante da oferta de serviços prestados pela MIRA TRANSPORTES.

Contatos
Nome:Eliria Buso
Email atendimento@presslog.com.br
Telefone (11) 4329-6529
Site: www.presslog.com.br 

Pointer Telocation adquire Cielo Telecom por R$ 21 Milhões no Brasil

A Pointer Telocation, multinacional israelense que atua no segmento de Gestão de Recursos Móveis através de desenvolvimento e fabricação de produtos e fornecimento de serviços, softwares e aplicativos móveis, anuncia a aquisição da Cielo Telecom, empresa atuante na fabricação de produtos e Prestação de Serviços no segmento de gestão de frotas, localizada em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul.
A Cielo Telecom provê serviços de segurança, logística, rastreamento e telemetria para mais de 16 mil caminhões no mercado brasileiro utilizando tecnologia GPRS e Tecnologia Híbrida - GPRS e Satelital.
A transação, que movimentou R$21 milhões, deve ser finalizada no decorrer do mês de setembro, tendo em vista as autorizações necessárias.
Para o CEO da Pointer do Brasil, Gustavo Ladeira: “Esta aquisição expandirá nossa base instalada para 4000 clientes com aproximadamente 50 mil ativos móveis rastreados, tornando a Pointer-Cielo uma das cinco principais empresas atuantes no segmento de gestão de frota no Brasil. Temos um grande potencial em termos de complemento de portfolio para a base de clientes existente e novos clientes. Teremos também ganho expressivo em termos de região de atuação. Enquanto a Pointer possui presença no mercado Corporativo e foca sua atuação em veículos leves com forte presença na região Sudeste, a Cielo atua no segmento de Transportadoras e Embarcadores com atuação em veículos pesados com forte presença nas regiões Sul e Centro-Oeste”.
“Vamos usar esse complemento de portfolio e área de atuação em nosso favor para acelerar nosso desenvolvimento de negócio. Fortaleceremos a estrutura da Cielo em Passo Fundo, criando um Centro de Competência de desenvolvimento de produtos e softwares conectado com nossa matriz em Israel. Após a aquisição de uma empresa na África do Sul, esse é mais um passo na execução de nossa estratégia global de crescimento que combina o crescimento orgânico com aquisições, com o objetivo de colocar a Pointer como uma das empresas líderes globais no segmento de Gestão de Recursos Móveis e Gestão de Frotas”, completa Ladeira.

Já para o diretor do Grupo Cielo, Djulion Kolberg: É um passo importante na historia da Cielo que possibilita aumentar ainda mais a oferta de produtos de alta tecnologia e serviços altamente eficazes para todos os nossos clientes. Nesta aproximação com a Pointer tivemos a certeza de que se trata da melhor parceira hoje no mercado para levar ainda mais longe o nome e as soluções da Cielo para outros países. Nós da Cielo, ao longo dos últimos 23 anos, sempre trabalhamos acreditando no desenvolvimento das empresas de tecnologia local. Com muito esforço, contando sempre com o comprometimento de nossos colaboradores e principalmente com o apoio de todos os nossos clientes, conseguimos grandes conquistas, que hoje fazem parte do mercado nacional de segurança e logística veicular. Estamos prontos para participar dessa nova etapa da Pointer-Cielo, certos que seremos mais competitivos e teremos nossa abrangência de atuação potencializada".

Sobre a Pointer
A Pointer é uma empresa líder no fornecimento de tecnologia e serviços para o segmento automotivo, seguradoras e frotistas, ofertando serviços que incluem Gestão de Frotas, Gestão de Ativos Móveis, Recuperação de Veículos Roubados, Diagnóstico remoto de veículos e um conjunto de soluções para o mercado de Internet das Coisas (IoT) por meio de tecnologia própria desenvolvida em sua divisão de produtos Cellocator. As soluções Pointer estão presentes em mais de 50 países.

Sobre a Cielo

Cielo foi fundada em 1994 e opera na área de Gestão de Frota com forte presença no segmento de transporte pesado no Brasil, com uma consistente base de aplicativos e ferramentas de softwares via web para logística e segurança, gestão de comportamento de motoristas, controle de jornada de trabalho (tempo de direção de motoristas), incluindo um grande leque de produtos bloqueadores, de rastreamento e telemetria como também vários acessórios e atuadores para segurança e controle de direção. A Cielo também oferta call center e serviço de recuperação de veículos roubados 24 x 7 hs, serviços de consultoria e uma comprovada e inovadora tecnologia para redução de acidentes e redução de consumo de combustível. 

Prático e facilitado, Seguro Truck da Pointer atende caminhões de até 350 mil

O seguro popular chega a ser até 65% mais econômico que o convencional

A Pointer do Brasil, empresa referência no segmento de telemetria veicular que já possui índice de recuperação de 88% de veículos, lançou recentemente o primeiro seguro popular do Brasil. Atuando no mercado varejo em parceria com a Nobre Seguradora, oferece seguros de baixo custo contra roubo e furto, contra terceiros para indivíduos, frotas, embarcadores e agregados. Considerado como o primeiro seguro popular do país, lida com automóveis, Pick-Ups e SUVs nacionais e importados até R$ 200 mil e Caminhões, Cavalos Mecânicos e Implementos (Carretas) até R$ 350 mil.
Tornando acessível o custo de um seguro de qualidade, a empresa oferece seu serviço tanto para auto quanto para truck. No Seguro Truck, dependendo do tipo de caminhão ou implemento, o seguro chega a ser até 65% mais econômico do que um seguro convencional e ainda oferece outras comodidades tais como até 12 guinchos anuais com raio de até 40 km de distância, trazendo comodidade ao frotista e ao caminhoneiro autônomo.
O seguro é a ferramenta que faltava para mudar esse cenário. Diferente de outros produtos encontrados no mercado, a solução oferecida pela empresa garante cobertura contra roubo e furto, incêndio e colisões – se advindas de roubo ou furto. Opcionalmente, como um combo, é oferecido também seguro para terceiros, serviço de assistência 24 horas e aplicativo para visualização em tempo real do veículo.
Considerado um seguro rápido, fácil e descomplicado, sem restrições, análise de perfil, limite de quilometragem ou consulta ao SERASA, o produto também tem franquia zero e indeniza em 100% da tabela FIPE/Molicar.
Segundo o CEO da Pointer do Brasil, Gustavo Ladeira, o produto foi criado para atender pessoas, empresas e associações que não conseguem fazer seguro de seu veículo ou frota devido aos altos valores envolvidos. “É sabido que o Brasil é um país que precisa evoluir muito a segurança. O seguro é um item extremamente importante para todos. A Pointer com esse novo seguro de baixo custo busca incluir pessoas e empresas que não conseguem ter um seguro tradicional”, completa.
Ainda segundo Ladeira, “a situação piora quando se trata de roubo de um caminhão, fonte de renda do caminhoneiro autônomo ou uma pequena empresa. Isso afeta diretamente a família de desse caminhoneiro ou de um pequeno empresário”.

Sobre a Pointer
A Pointer é uma multinacional israelense, presente em 50 países. A 8 anos no Brasil, fornece soluções inteligentes para segurança, rastreamento, logística e telemetria, atuando no mercado de gestão de frotas e outros ativos móveis, atendendo clientes corporativos e pequenas empresas através de sua área de consultoria.
 Mais informações:
-  www.pointerbrasil.com.br  - Site corporativo da Pointer

- www.pointercomseguro.com.br – Site de cotação de Seguro online

Airbus quer ser o Uber dos carros voadores sem motoristas

Futuro: o primeiro protótipo do carro voador autônomo será testado no ano que vem
São Paulo – A Airbus tem uma ideia ambiciosa para acabar com o engarrafamento das grandes cidades. A fabricante de aeronaves anunciou em um comunicado no seu site que está desenvolvendo carros autônomos voadores que funcionarão como o Uber do futuro.
O projeto, chamado de Vahana, está sendo desenvolvido pelo A3, o time de inovação da companhia, desde fevereiro deste ano. O sistema deve funcionar de maneira similar ao app de partilha de automóveis, em que o usuário faz a requisição de um veículo pelo smartphone.
A Airbus espera que o primeiro protótipo seja testado já em 2017 e que o produto esteja no mercado em menos de dez anos. Segundo Rodin Lyasoff, engenheiro executivo do projeto, a maior barreira a ser ultrapassada é a tecnologia sensorial, necessária para que um veículo não se choque contra prédios e pessoas. Para Lyasoff, “muitas das tecnologias necessárias, como baterias, motores e aviônicos estão quase prontas”.
Apesar de a tecnologia sensorial ainda estar dando seus primeiros passos com os carros autônomos, ela pode ser desenvolvida de maneira mais rápida para veículos voadores. Isso porque esses precisam lidar com menos obstáculos, pois podem se mover em três dimensões, em vez de apenas duas (no caso dos carros tradicionais).
Outro desafio que a Airbus precisa enfrentar é a restrição legal de veículos autônomos em áreas urbanas. Atualmente, nenhum país permite que drones sem pilotos remotos sobrevoem as cidades.
A solução para esse problema, segundo a Airbus, é a construção de tubos que servirão de rotas aéreas. O primeiro local a receber as estradas será o campus da Universidade Nacional de Cingapura. Nele, a Airbus irá testar um serviço de entrega de encomendas feitas a partir de drones. O teste será feito em meados de 2017.
A Airbus não é a primeira empresa a ter a ideia de construir carros voadores. Startups como a chinesa Ehang 184 e a alemã e-Volo já construíram drones capazes de transportar um passageiro por vez.

Fonte: Exame

Correio da Suíça vai iniciar testes de robôs-carteiros

Robô: durante o período de teste, os robôs terão o acompanhamento de um funcionário
Genebra - O Swiss Post, o serviço de correio da Suíça, informou nesta terça-feira que a partir do mês que vem irá testar robôs para a entrega de pacotes, com o objetivo de auxiliar o trabalho dos carteiros.
"No futuro, os robôs entregadores poderiam complementar as atuais soluções logísticas de entrega e trabalhar no trecho que atualmente não é coberto pelos carteiros", explicou Swiss Post em comunicado.
Dependendo dos resultados, a utilização comercial dos robôs será posta em prática dentro de três anos. A experiência vai começar nas cidades de Berna, capital administrativa do país, no distrito de Koniz, e Biberist, no cantão de Soleura.
Os usos mais fáceis de imaginar vão da entrega de alimentos a entrega fora de casa de produtos médicos dentro de um mesmo bairro.
O robô poderá carregar até 10 quilos por até seis quilômetros, que percorrerá a velocidade média de uma caminhada a pé pelas calçadas e, de maneira geral, através de áreas destinadas aos pedestres.
De acordo com o Swiss Post, o robô se deslocará de forma autônoma até o destino final e estará programado para evitar obstáculos e pontos de perigo.
Seu funcionamento será feito mediante a combinação de um sistema de GPS - para determinar posições - e de um sistema de reconhecimento visual do entorno, mediante o uso de câmaras.
Em caso de dúvidas ou de lugares especialmente difíceis, um operador remoto controlará o robô a distância, mas "com cada viagem o robô-carteiro aprenderá algo novo e isto aumentará sua autonomia", afirmou a entidade.
Durante o período de teste, os robôs terão o acompanhamento de um funcionário de carne e osso que reunirá todas as informações possíveis sobre seu funcionamento. 

Fonte: Exame

Orelhões inteligentes dizem quando seu ônibus está chegando em São Paulo

Os telefones públicos acabam de ganhar uma nova utilidade na capital paulista. E ainda é de graça.


Pense bem: qual foi a última vez que você usou um orelhão? É, você sabe, aquele telefone público que fica na calçada, na esquina da padoca, às moscas... Mas agora eles ganharam uma nova utilidade: vão te dizer que ônibus estão chegando ao ponto mais próximo.
A ideia é colocar em uso os 25 mil orelhões da cidade de São Paulo, que estão praticamente abandonados - e, ao mesmo tempo, ajudar quem não tem smartphones com internet para checar a proximidade do busão. Por semana, só em São Paulo, 2,7 milhões de pessoas usam o transporte público sem internet no celular. Daí o nome do projeto, Smart Orelhão.


Eletrificação ferroviária é trilho para o futuro

Primeiro evento da série Vida Inteligente discute papel de ferrovias eletrificadas como indutor do crescimento econômico regional

Ferrovia eletrificada faz crescer a economia ao transportar energia, infraestrutura e dados; ao redor se desenvolvem cidades e empresas - Fotolia

 Nos anos 1960, o filósofo canadense Marshall McLuhan criou a expressão “o meio é a mensagem”. Para ele, a forma como a mensagem chega às pessoas seria tão importante quanto o próprio conteúdo. Cinco décadas depois, a máxima de McLuhan pode ajudar a descrever o modelo de estradas de ferro eletrificadas: muito além de um caminho entre os pontos A e B, elas são indutoras do crescimento da economia ao transportar energia, infraestrutura e dados; e ao oferecer um entorno propício para o desenvolvimento de cidades e atividades empresariais.
— Ferrovias são eixos sociais, ambientais e econômicos — afirmou Ricardo Kenzo, executivo sênior de Desenvolvimento de Negócios da Siemens, durante o evento “A Contribuição da Eletrificação para um Novo Padrão de Desenvolvimento do Brasil”, que abriu a série de debates Vida Inteligente.
O encontro, mediado pelo economista Raul Velloso, realizado pelo jornal O GLOBO e correalizado pela Editora Globo, marca o início de um amplo debate sobre a necessidade de um novo padrão de desenvolvimento tecnológico e econômico no país. Historicamente, o Brasil deixou de ser um país costeiro a partir da implantação de sua malha ferroviária, no século 19, que chegou a contar com 37 mil quilômetros de trilhos e ferrovias espalhados por 14 das 20 províncias do Império.
— Foi a partir da dobradinha ferrovia-porto que o Brasil se inseriu no mercado internacional. Os eixos de desenvolvimento do país se deram em torno das ferrovias e isso é uma marca até hoje — disse Frederico Bussinger, consultor em planejamento e gestão ferroviária e ex-secretário-geral do Ministério dos Transportes. Para ele, falta ao país um modelo de planejamento e gerenciamento integrados para que as ferrovias eletrificadas voltem a crescer.

Geração de riqueza
Na opinião de Jean Carlos Pejo, secretário-geral da Associação Latino-Americana de Ferrovias (ALAF), os atuais projetos de novas estradas de ferro nas regiões Norte e Nordeste do país deveriam ir além da questão puramente logística.
— É importante criar condições para que as ferrovias tragam fábricas que gerem Riqueza ao longo de seu eixo, como no caso do beneficiamento da soja e milho, pois isso agrega valor para as regiões — disse.
Ferrovias de carga no Brasil atual transportam principalmente minério voltado à exportação, mas há vários projetos para atender demandas também do agronegócio. Como exemplo de desenvolvimento, Pejo citou o estado de São Paulo, que se aproveitou do espaço das ferrovias durante o ciclo do café, no início do século passado, e hoje é o mais industrializado do país.
— A malha ferroviária de São Paulo foi a mais eletrificada do Brasil — completou.
De acordo com Pejo, a eletrificação deve estar presente em novos projetos ferroviários. Para isso, é necessário expandir o enfoque das discussões sobre o tema.
— Não podemos ficar presos em modelos já adotados para transporte de minério. Nem toda produção é para exportação e é importante analisar as vantagens da eletrificação e torná-la parte do debate nacional.

Infraestrutura sustentável
A questão ambiental também foi destaque no debate. Frederico Bussinger ressaltou que “a adoção da eletrificação é importante não apenas para reduzir as emissões de CO2, que é parte de acordos internacionais sobre o clima, mas também quanto a emissão de resíduos particulados, comuns nas regiões metropolitanas e que também fazem mal à saúde”.
— É uma forma de entregarmos mais qualidade de vida às pessoas — completou Ricardo Kenzo.
O executivo fez um balanço das diversas discussões no encerramento do evento. Ele afirmou ainda que a falta de planejamento pode prejudicar a eficiência do país e que é preciso estar atento aos benefícios e receitas acessórias em ferrovias eletrificadas, que geram sinergias.
— Por meio de sua implantação, a ferrovia eletrificada ou preparada para a eletrificação proporciona crescimento e desenvolvimento no entorno, podendo impulsionar, além da própria infraestrutura logística, outras utilidades, como redes de água e energia, por meio de transmissões elétricas ou gasodutos, e serviços de telecomunicações, provendo múltiplas utilidades para a indústria, com criação de empregos, e para as pessoas, com aumento de qualidade de vida e acesso à informação e educação — disse Kenzo.
Yuri Sanches, diretor de vendas de Sistemas de Mobilidade da Siemens, ressaltou que a discussão sobre a eletrificação contribui para a retomada do progresso:
— A infraestrutura é a chave da volta do crescimento, é o caminho por onde se dará o desenvolvimento.

Fonte: O Globo

Uber vai começar a usar carros autônomos para transporte

 São Paulo – A Uber fará os primeiros testes com carros autônomos neste mês. A informação foi divulgada pela revista Bloomberg Businessweek. Os testes acontecerão na cidade americana de Pittsburgh. Os carros utilizados serão da Volvo, o modelo é o XC90. Os veículos serão cobertos de sensores para que sejam capazes de se dirigir sozinhos e perceber todo o ambiente ao redor. Apesar de autônomos, eles contarão com um motorista humano atrás do volante—isso acontecerá por questões legais, uma vez que a legislação local obriga a presença de um motorista. De acordo com a empresa, eles serão engenheiros e ficarão sentados com “as pontas dos dedos” no volante para o caso de emergências

Fonte: Exame

Pacífico Log chega a Minas Gerais para atender demanda do mercado na interligação do estado com as regiões Norte e Nordeste


Referência na distribuição de mercadorias para as regiões Norte e Nordeste do Brasil, Pacífico Log inicia atividades em Minas Gerais dando um novo passo para consolidar a integração destas regiões com o país 

Atendendo uma forte demanda da região, a Pacífico Log começa a prestar serviços regulares para o mercado de Minas Gerais. Segundo o Gerente Nacional de Vendas, Tarso Lumare, esta decisão faz parte do projeto de expansão da empresa, o qual vem sendo informado detalhadamente para o mercado expedidor e recebedor de mercadorias transportadas pelo modal rodoviário.
A Pacífico Log é uma empresa que concentra suas atividades na interligação do transporte de grandes centros produtores com as regiões Norte e Nordeste do Brasil e, portanto, a nova filial de Belo Horizonte amplia o alcance deste objetivo.
 
Infraestrutura logística para atender ao estado de Minas Gerais
“A Pacifico Log entra em Minas Gerais atendendo toda a região Norte e Nordeste utilizando nosso centro de Guarulhos como HUB (Centro consolidador) para realizar a conexão das mercadorias com nossa rede”, afirma o dirigente.
Para oferecer ao mercado um serviço com a regularidade operativa que caracteriza sua organização, a Pacífico Log dispõe de uma filial situada no município de Contagem , Região Metropolitana de Belo Horizonte, com toda a infraestrutura necessária para conectar as principais cidades expedidoras de mercadorias de elevado valor agregado com as regiões Norte e Nordeste.
“Nossa filial dispõe de pessoal altamente qualificado para atender a demanda dos nossos clientes, uma frota de 83 caminhões de diferentes dimensões para atender às necessidades de coleta e entrega local e instalações modernas e flexíveis”, indica orgulhoso o Gerente Nacional de Logística, Cristiano Silva.
Em termos práticos, a empresa já iniciou a operação de forma a atender toda região Metropolitana de Belo Horizonte e cidades vizinhas como Pouso Alegre, Nova Serrana, Divinópolis e Passos.
“Faz parte de nossa estratégia de atuação avançar de forma prudente e efetiva, já atendíamos clientes na região de Pouso Alegre e Extrema. Esta nova filial vem consolidar as operações já existentes e alavancar novos negócios”, completa o Gerente Nacional de Vendas da Pacífico Log.

Pacífico Log - Interligando o Norte e o Nordeste com o Brasil
A PACÍFICO LOG teve pela terceira vez consecutiva o seu trabalho reconhecido pela importante organização líder nas transações via E-Commerce; Grupo B2W Digital; divisão dos negócios de E-Commerce dos sites: Americanas.com, Shoptime, Sou Barato e Submarino. Os mencionados prêmios visam reconhecer e parabenizar os colaboradores e fornecedores pelo cumprimento dos objetivos estabelecidos.
A empresa foca na qualidade dos serviços e segurança no transporte toda a sua ação operativa e corporativa. São mais de 600 colaboradores, 80 mil metros quadrados de área para operacionalizar a carga e mais de 70 mil entregas mensais.
Com uma frota com mais de 450 veículos, de diferentes características, atende as necessidades de cada cliente. "Nosso grande diferencial é ter consolidada a presença em mais de 20 estados brasileiros divididos em 34 unidades nas Regiões Norte, Sul e Sudeste e agora, Nordeste. Desta forma conseguimos garantir um padrão de qualidade muito acima da média. Todos nossos processos são padronizados e geridos pelo Centro de Qualidade Operacional em nossa matriz em Guarulhos - SP e isto só é possível porque aplicamos tecnologia de ponta em gestão de processos e gestores capacitados atuando em cada uma de nossas filiais". O início de operações no estado de Minas Gerais é um passo importante para cumprir com os nossos compromissos.
Com alta tecnologia, os carregamentos da empresa são 100% verificados por meio de leitura de código de barras, deixando a força de trabalho mais organizada, sempre visando reflexos positivos na qualidade da entrega.  Também disponibiliza a ferramenta de localização da carga, onde o cliente pode rastrear o seu pedido pelo código da entrega. No site www.pacificolog.com.br estão informações sobre a empresa que assume como seu note a integração nacional.

Para mais informações sobre a PACIFICO LOG
Pacífico Log Belo Horizonte - Filial / Unidade - Belo Horizonte -  Rua Simão Antônio, 1025 – Contagem MG, CEP 32.371-610 - fone (031) 3507.0200
Pacífico Log São Paulo - Rua Antonio Mestriner, 450 - CEP 07175-500 - Bonsucesso, Guarulhos - SP - Telefone (11) 2303 - 4022 

Informações para a imprensa:
Press Log Assessoria de Imprensa
www.presslog.com.br
Jornalista Cláudio Lacerda Oliva
Mtb: 20.586/SP
Telefone: 11 4329-6529 - São Paulo, Brasil

Dachser Brasil impulsiona processo de desembaraço aduaneiro da Tetra Pak

A Tetra Pak busca constantemente a melhoria contínua em seus processos de importação e exportação. Como resultado desse esforço, a empresa foi recentemente classificada em 1º lugar no segmento “Regime Especial Linha Azul”, no Ranking de Eficiência Logística de Viracopos / Campinas (SP). O ranking é baseado no tempo médio de liberação de carga de importação e é agrupado em diferentes segmentos.
Este é o resultado de uma parceria bem desenvolvida entre a Tetra Pak e a Dachser Brasil – subsidiária local da empresa de logística sediada na Alemanha. Além de seu know-how e experiência em comércio exterior, a Dachser compartilha o mesmo conjunto de valores da Tetra Pak: visão de longo prazo, qualidade e inovação.
Monitoramento de processos, identificação de gargalos e melhoria de processos, foram os fatores determinantes para essa conquista de acordo com Angel Santana, Managing Director Dachser Brasil. “A otimização e a coordenação dos processos internos, ligados e cronometrados com o regime aduaneiro no aeroporto, foram determinantes para a operação ser bem sucedida. Juntamente com a Tetra Pak, nos concentramos em comunicações, atividades operacionais e maior eficiência”, explica Santana.
Nos últimos dois anos, a Tetra Pak tem realizado progressos significativos na eficiência dos processos, obtendo por vários meses o segundo melhor tempo no desembaraço aduaneiro. “Os desafios são grandes, mas acreditamos que podemos, em parceria com a Dachser, evoluir cada vez mais. Estamos confiantes de que excelentes resultados como este continuarão a ser alcançados”, conclui Rosana Mello, Diretora de Suprimentos da Tetra Pak para o Norte, Central e América do Sul.

Fonte: Logweb

Primeiro embarque de óleo de palma por cabotagem marítima do País chega ao porto de Santos

O primeiro lote de óleo de palma transportado por cabotagem marítima no País, embarcado dia 26 de julho, no Pará, chegou no último dia 9, no porto de Santos. O lote experimental, de 2.600 toneladas, saiu do terminal da Agropalma – empresa do Conglomerado Alfa e maior produtora de óleo de palma do Brasil -, em Tapanã, em Belém, e desembarcou esta semana no Sudeste.
A operação é um marco e abre um novo horizonte para a produção de óleo de palma, permitindo que a Agropalma e todos os produtores do estado do Pará – região que concentra a cultura – acessem os mercados consumidores de óleo de palma dos estados do Sul e Sudeste a um custo logístico cerca de 50 % inferior ao rodoviário.
A iniciativa é parte do projeto de investimento divulgado há três anos pela Agropalma em seu processo de crescimento. No estado do Pará, a empresa investiu R$ 160 milhões na construção de uma nova usina de extração de óleo no município de Tailândia, R$ 10 milhões em expansão da área agrícola e R$ 5 milhões na ampliação da refinaria de Belém. No Sudeste, o investimento em uma nova refinaria foi da ordem de R$ 260 milhões.
Segundo o diretor comercial da empresa, André Gasparini, com a presença no interior do estado de São Paulo, em Limeira, a Agropalma passa a atender os clientes de forma just-in-time. De Belém, seriam necessários de seis a dez dias para o transporte de carga fracionada e cinco dias para carga a granel. “Com a nova unidade, em Limeira, damos vazão, por cabotagem, ao óleo bruto produzido no Pará e que hoje é exportado por falta de mercado consumidor e condições logísticas acessíveis.”
A refinaria de Belém continuará a processar cerca de 110 mil toneladas/ano de óleo refinado e abastecerá os mercados das Regiões Norte, Nordeste e parte do Centro-Oeste. A nova refinaria, em Limeira, tem capacidade instalada de 144 mil toneladas/ano e visa expandir a área de distribuição industrial e food service da empresa para as Regiões Sudeste e Sul do País. Essas regiões concentram um consumo significativo no mercado nacional de óleos e gorduras e, sob o ponto de vista logístico rodoviário, partindo de Belém, estão inacessíveis não só pelas características técnicas dos produtos, mas também pela concorrência.

Fonte: Logweb

DHL investe na expansão de sua área de embalagens promocionais

Empresa vai inaugurar um centro multicliente voltado para a atividade em 2017

A DHL Supply Chain está expandindo sua área de serviços de embalagens integradas à cadeia de suprimentos – ou contract packaging (co-pack) – no Brasil. A meta é, até 2020, triplicar o setor, que contribui significativamente para a receita mundial da empresa, que administra cerca de 180 operações. No Brasil, já são três clientes da área de consumo, além de mais dois em processo de implementação.
“Queremos unir o nosso conhecimento e experiência na gestão de cadeias de suprimentos e operações logísticas com os serviços de packaging secundário, ou seja, preparação de ofertas, montagem de kits, displays de venda e outros formatos de embalar conjuntamente produtos acabados, a fim de reduzir o custo logístico total, aprimorar a qualidade e a agilidade da operação e, principalmente, alavancar os resultados dos clientes nos pontos de venda”, destaca Maurício Almeida, diretor de Operação da DHL Supply Chain Brasil e líder do projeto de expansão da área.

Empresa conta com 180 operações de co-pack no mundo

As novidades previstas incluem investir em treinamento da equipe, em esforços comerciais e de marketing e no desenvolvimento de um sistema de tecnologia da informação especializado. Além disso, a DHL vai lançar, em 2017, um Centro Multicliente de Soluções de Packaging Secundário, que será localizado no interior de São Paulo.
O centro atenderá a pequenas e médias empresas e trabalhos pontuais. Nele, os clientes irão compartilhar espaço e recursos para seus processos de embalagem. “Nosso projeto é ter um centro de distribuição que concentre operações que, isoladamente, não teriam escala suficiente para compensar o custo fixo. Pretendemos também incentivar a criação de kits com produtos de clientes diferentes e que eles compartilhem malhas de distribuição, reduzindo ainda mais o custo final da operação”, explica Almeida.
Segundo o executivo, no centro o cliente terá acesso a economia de escala. “Ou então ele pode decidir por simplificar sua cadeia logística, uma vez que esse serviço também pode ser realizado dentro da planta do cliente ou mesmo no CD da DHL, eliminado assim um trecho de transporte até um terceiro local, geralmente onde atualmente os serviços são efetuados”, diz.
A DHL realiza a montagem de diversos formatos, como displays, labeling, assembly, kitting e bagging. “Essa é uma prática comum no Brasil, mas que tende a crescer para superar a retração atual do consumo. Queremos auxiliar nossos clientes nessa estratégia, mantendo ou reduzindo seus custos operacionais. É importante lembrar que a embalagem promocional representa, em média, cerca de 9% do custo total do produto. Logo, qualquer redução ou aumento de custo impacta diretamente sua competitividade”, completa o diretor.