PacíficoLog consolida sua posição entre os melhores do segmento de e-commerce e conquista pela 4ª vez consecutiva o prêmio iB2W

Consolidando sua posição entre as melhores transportadoras para o E-commerce do Brasil, a PacíficoLog foi agraciada, pela quarta vez consecutiva, com o prêmio iB2W. Graças a sua eficácia na operação logística no atendimento da B2W Digital, a empresa ganha seu reconhecimento recebendo a maior premiação do evento: "Campeão dos campeões", concorrendo com diversas empresas, sendo avaliado todo o processo operacional da PacíficoLog durante o segundo semestre de 2016.



Além disso, a empresa foi contemplada como Melhor Transportador Pesado e sua filial de Ji-Paraná, em Rondônia, ficou em primeiro lugar no ranking geral de bases ou filiais entregadoras em todo Brasil, concorrendo com mais de 300 outras unidades de diversas outras transportadoras.

O prêmio confirma os investimentos constantes da Pacífico Log na equipe de operações, apesar do momento econômico do país, que tem afetado diretamente o segmento de transportes.

Desde 2014, a PacíficoLog vem figurando entre as melhores transportadoras da B2W, maior empresa de e-commerce da América Latina e detentora de marcas como Americanas.com,  Submarino, Shoptime e Sou Barato. Para o transportador, este segmento é bastante complexo pelo escopo da operação, atendendo pessoas físicas onde encontram-se vários tipos de obstáculos, tais como locais de difícil acesso, clientes ausentes, etc.

Sobre a PacíficoLog -  Uma Transportadora focada na qualidade dos serviços

A PacíficoLog é uma empresa especializada em transporte de carga fracionada para região Norte e Nordeste do país, que investe constantemente em Processos, Pessoas e Infraestrutura para atender seus clientes conforme as suas necessidades. Elencamos alguns aspectos que caracteriza o diferencial competitivo da empresa:

• Mais de 70.000 entregas/ mês; • Sistema de Gestão de Qualidade; • Sistema de Gestão Integrada; • Informação, Segurança e Gerenciamento de Riscos; • Treinamento Contínuo das Equipes operacional, comercial e administrativas, • Mais de 600 colaboradores. • Estrutura composta de filiais próprias e frota com mais de 450 veículos entre caminhões, carretas e vans.
A PacíficoLog tem presença em 22 estados com 34 filiais entre expedidoras e distribuidoras. Deste total de filiais, 15 estão localizadas na Região Nordeste e 12 na Região Norte do Brasil.

PacíficoLog São Paulo - Matriz
Rua Antônio Mestriner, 450 – CEP 07175-500 – Bonsucesso, Guarulhos – SP
Telefone (11) 2303-4022 www.pacificolog.com.br

Informações para a imprensa: Press Log – www.presslog.com.br. Jornalista Claudio Lacerda Oliva – claudio@presslog.com.br



Potencialidade do modal ferroviário é discutido na NT Expo – 19ª Negócios nos Trilhos

 

Uma semana após o governo federal ter finalizado o texto da Medida Provisória para as concessões nas áreas rodoviária, aérea e ferroviária e muito próximo de a versão ser publicada no Diário Oficial da União, o setor metroferroviário se reúne para debater os impactos do projeto na NT Expo – 19ª Negócios nos Trilhos, principal evento do setor de transporte metroferroviário da América Latina. O encontro acontece de hoje até quinta-feira, 10, e congrega toda a cadeia de fornecedores, formadores de opinião, órgãos públicos e os players dos segmentos de carga e passageiro, nacionais e internacionais.
A nova versão do texto da medida provisório joga luz sobre a necessidade de uma marco regulatório capaz de dar segurança às empresas que integram a cadeia metroferroviária e encorajar o destravamentos de investimentos. A possibilidade de haver consenso sobre o assunto foi bem recebida pelos especialistas do setor e será tema recorrente nas discussões propostas na extensa programação de conteúdo. Os painéis e fóruns irão reunir o especialistas, autoridades e empresários e serão norteados por três temas principais: transporte de passageiros, transporte de cargas e investimentos.
Além dos eventos de conteúdo, nesta edição da NT Expo, mais de 100 marcas levam ao Expo Center Norte – Pavilhão Vermelho, em São Paulo, equipamentos, serviços e tecnologias para o desenvolvimento e operação do transporte metroferroviário de cargas e passageiros. Entre os expositores estão empresas do porte da MedCom, Greenbrier Maxion, ABB, ArcelorMittal, Baterias Moura, Vossloh, Thales, Motorola Solutions, entre outras companhias, especialistas em gerenciamento de sistemas, sinalização, telecomunicações, peças e componentes, material rodante e eletrificação.

Rodada de negócios
Para incentivar a interação entre as empresas da cadeia e otimizar a realização de negócios entre os expositores da NT Expo, a ANPTrilhos (Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos) e a ANTF (Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários) organizam durante o evento uma exclusiva Rodadas de Negócios. O objetivo é oferecer uma oportunidade única para fornecedores agendarem reuniões com seus clientes estratégicos.
 
Abertura
A solenidade de abertura da NT Expo 2016 acontece hoje, às 13 horas, com a presença das seguintes autoridades e especialistas:

• José Roberto Generoso, Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades
• Jorge Luiz Macedo Bastos, Diretor Geral da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres)
• Carlos Martins, Secretário de Desenvolvimento Urbano da Bahia
• Júlio Fontana, Presidente da Rumo ALL
• Vicente Abate, Presidente da ABIFER (Associação Brasileira da Indústria Ferroviária)
• Joubert Fortes Flores Filho, Presidente da ANPtrilhos (Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos)
• Gustavo Bambini, Presidente do Conselho da ANTF (Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários)
• Jean Pejo, Representante da ALAF (Asociación Latinoamericana de Ferrocarriles)
• Jean-François Quentin, Presidente da UBM Brazil, organizadora da NT Expo
Credenciamento de jornalistas interessados em cobrir o evento pode ser feito diretamente no Expo Center Norte.

Serviço
NT Expo – 19ª Negócios nos Trilhos
Data: 8, 9 e 10 de novembro.
Horário: 13 às 20h.
Local: Expo Center Norte – Pavilhão Vermelho.
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme, São Paulo.

Fonte:CargoNews

Seis dicas para preparar a logística para o final do ano


Mesmo em um cenário de retração econômica no País, o período de festas natalinas pode representar uma ótima oportunidade para as empresas atraírem clientes e maximizarem seus lucros. Diversos setores da economia, assim como alimentos e bebidas e o varejo, em geral, tendem a ter um pico de vendas neste período do ano exigindo maior agilidade na reposição de estoques.
Por isso, é preciso preparar a casa para atender a demanda crescente de consumo. Neste contexto, fatores como uma logística bem estruturada, o tempo de entrega, bem como a disponibilidade do produto no estoque ou no ponto de venda são fundamentais para o sucesso dos negócios.
Atuando com a máxima de “fazer mais com menos, mantendo a qualidade e o nível de serviço”, a Intecom Logística, integrador logístico com mais de 15 anos de expertise em distribuição, armazenagem e estratégia em toda a cadeia de suprimentos, trabalha com a metodologia de otimização da rede logística, para levar eficiência aos clientes, a um custo competitivo. “O final do ano é um período em que toda a cadeia logística trabalha em ritmo mais acelerado e requer atenção das empresas para aproveitar essa fase oportuna e de vendas alavancadas. Ter um parceiro como a Intecom, pode fazer toda a diferença”, afima Rodrigo Boniaris, gerente comercial da Intecom Logística.
De acordo com ele, devido ao maior fluxo de vendas esperado, é preciso ajustar e criar processos ágeis com antecedência. Neste sentido, confira dicas do executivo da Intecom Logística que a sua empresa já deve adotar para ter um bom planejamento logístico neste fim do ano e alcançar maior rentabilidade:

1 – Identifique pontos de melhoria e eficiência
É preciso ter uma visão 360 graus da cadeia logística para criar processos ágeis. Avalie cada etapa da cadeia logística que pode ter algum tipo de aperfeiçoamento. Trabalhar com processos manuais, utilizando planilhas e cadernos, é um grande erro. Busque sempre oportunidades para saná-los.

2 – Prepare o estoque
Com a tendência de aumento de vendas no fim do ano, é recomendável trabalhar com um estoque mais adequado para conseguir atender a demanda dentro do prazo. Comece desde já o seu planejamento, mas cuidado, produtos parados em estoque geram gastos desnecessários. Sendo assim, busque indicadores confiáveis para dimensionar o seu estoque. Você também pode ganhar eficiência otimizando a utilização do espaço disponível no centro de distribuição, elaborando um bom mapeamento das regiões de armazenagem.

3 – Tenha assertividade na entrega
Entregas de fim de ano geralmente contam com um prazo apertado. Desta maneira, trabalhar com um integrador logístico pode ajudá-lo a planejar a distribuição em tempo real para as mais diversas regiões do País, evitando gastos desnecessários e otimizando custos.

4 – Não deixe faltar produtos no ponto de venda
Em tempos de demanda elevada, é recomendável que o nível de ruptura (que mede a falta de produtos no ponto de venda) seja baixo. O correto é repor o produto nas gôndolas, quase que diariamente, de acordo com a necessidade. Neste sentido, a Intecom conta com um sistema de gerenciamento de armazém, que propicia empregar técnicas como o Flow-Through, reduzindo custos e possibilitando todo o suprimento dos produtos nas lojas.

5 – Acompanhe os indicadores
Por meio de tecnologia e de suportes tecnológicos de última geração, cada etapa da armazenagem e distribuição da carga pode ser acompanhada em tempo real. Além disso, a tecnologia pode apoiar na elaboração de um melhor planejamento. Na Intecom Logística, as mais modernas ferramentas tecnológicas suprem os clientes de informações estratégicas para a tomada de decisão.

6 – Aproveite o aumento da demanda
Revisar processos logísticos nunca é tempo perdido. Erros nesta área podem impactar negativamente os resultados finais da sua empresa. Por isso, não deixe para ajustar a cadeia logística da sua empresa na última hora e saiba aproveitar o momento oportuno do mercado.

Fonte:Logweb

Estradas de SP terão pedágios mais em conta fora dos horários de pico

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) lançou nesta sexta-feira (4) uma concessão que cria o primeiro pedágio flexível do estado de São Paulo. Com isso, o usuário pagará uma tarifa menor quando usar as rodovias fora do horário de pico. O novo modelo será aplicado inicialmente em 570 km de estradas na região Centro-Oeste do estado, de Florínea, divisa com o Paraná, até o município de Igarapava, limite de Minas Gerais.
O pedágio flexível vai funcionar conforme o volume de tráfego e horário de cada trecho da rodovia. A empresa que vencer a concessão poderá aplicar valores diferentes de tarifas de acordo com o horário do dia, dia da semana, tipo de veículo e trecho percorrido.
Nos horários de pico ou mais movimentados será cobrada a tarifa integral.Também está prevista a cobertura de wi-fi nas rodovias licitadas no Centro-Oeste Paulista, desde Florínea, na divisa com o Paraná, até Igarapava, na divisa de Minas Gerais.O lote de concessão inclui trechos nas regiões administrativas de Araraquara, Barretos, Bauru, Franca, Marília e Ribeirão Preto.
O lançamento do edital ocorre nesta sexta-feira (4) e permite a participação de empresas internacionais. A abertura das propostas das empresas interessadas em concorrer é no dia 22 de fevereiro.Os contratos serão revistos a cada quatro anos para readequação dos planos de investimento, garantias e indicadores de desempenho.A concessão será por um período de 30 anos e prevê a aplicação de R$ 3,9 bilhões para ampliação, restauração de estradas, equipamentos e sistemas.Será considerada vencedora a empresa que oferecer o maior valor de pagamento de outorga.
A concessão também inclui trechos da atual concessionária ViaNorte, com contempla sete rodovias que passam por 30 municípios, que terão o desconto de 19% em média nas tarifas, mais 5% para quem usa pagamento eletrônico, devido ao valor do quilômetro proposto na licitação. O lote inclui as rodovias SP-226, SP-294, SP-322, SP-328, SP-330, SP-333 e SP-351.


Fonte:Logweb

Energia solar: Melhor Logística aposta em transporte especializado para o setor

Com perspectiva de movimentar R$ 100 bi até 2030 e gerar 110 mil empregos antes do final de 2020, o setor de energia solar está em franca expansão no Brasil. Para contornar um gargalo do segmento, a Melhor Logística (www.melhorlogistica.com.br), empresa de manuseio e transporte de cargas sensíveis, desenvolveu um modelo específico para atender empresas do ramo. A opção reduz em até 15% os custos dos clientes com logística.
Batizado de Operação Logística Dedicada, o modelo funciona terceirizando a logística e pode incluir armazenagem e transporte ou apenas um dos dois. “Atendemos tanto distribuidoras dos componentes de sistemas de geração solar quanto os fabricantes que começam a surgir no Brasil”, conta Fábio Hernandes, CEO da Melhor Logística. “Mais importante ainda: garantimos que o trabalho seja feito por uma equipe que entende as especificidades do ramo”, completa.


Isso significa, por exemplo, ser capaz de transportar de maneira segura e garantir a entrega de cargas que são, ao mesmo tempo, pesadas e delicadas. Em uma simplificação, Hernandes compara um painel fotovoltaico a uma grande placa de vidro circundada por uma armação de alumínio e transportada em pallets de até 500 kg cada. “Além da dificuldade em certificar que o produto não sofra danos no manuseio, é preciso ter uma logística específica para a entrega no destino final”, explica o CEO.
Avaliados caso a caso, os contratos são calculados com base na análise dos gastos atuais e perspectivas futuras de cada cliente. A partir da otimização de processos, o preço final pode ficar entre 5% e 15% mais barato do que outras alternativas do mercado.
Além do modelo dedicado, a Melhor Logística também presta serviços pontuais para o setor e recebe demandas de empresas de instalação dos sistemas e pessoas físicas. A companhia tem uma infraestrutura de rastreamento e agendamento de entregas que reduz possibilidades de desencontros e atrasos no transporte.
“Atualmente, fazemos entre cinco e dez entregas de produtos ligados a energia solar por dia e estimamos fechar o ano de 2016 com uma movimentação total de sistemas capazes de gerar cerca de 1 MWp”, diz Hernandes. Para o próximo ano, a perspectiva da empresa é aumentar este número para 2.5 MWp.

Fonte: Logweb

Total Express fecha parceria com a AACD para o Teleton 2016

A Total Express, empresa de logística do Grupo Abril, renovou, pelo terceiro ano consecutivo, a parceria com a AACD. A companhia será a distribuidora oficial dos bonecos do Teleton deste ano e deve entregar cerca de 80 mil Tonzinhos e Ninas em todo o País.
Com a parceria, a Total Express disponibiliza à AACD toda a capilaridade de entregas da empresa. Já é o terceiro ano consecutivo que as organizações trabalham juntas. Assim como os demais clientes da Total, na operação é contemplada a entrega, armazenamento e callcenter. “A Total Express incentiva o Teleton por acreditar no projeto da AACD, que há 17 anos vem construindo uma estrutura grandiosa de atendimento pronta para receber 1,2 milhão de pacientes por ano. Esperamos que nossas projeções sejam batidas e muito possa ser arrecadado com a participação das pessoas. As crianças ajudadas pela Instituição precisam demais”, afirma Bruno Tortorello, diretor geral da Total Express.
Tortorello destaca, ainda, o papel da empresa para atender a promessa do Teleton de entregar os personagens aos doadores. “Quando uma pessoa decide apoiar, ela tem uma expectativa muito grande com a chegada do boneco. E o time da Total Express faz com que eles cheguem, com muito cuidado, segurança e pontualidade, aos lares de milhares de brasileiros em todo o Brasil”, explica. Desde 2014, a companhia já distribuiu mais de 200 mil bonecos. Só no ano passado foram 85 mil, em 3.400 cidades, dentro do prazo, batendo as expectativas da organização do evento.
A meta do Teleton 2016 é arrecadar R$ 27 milhões, um milhão a mais que o ano passado. As pessoas que doarem valores acima de R$ 100 podem escolher um dos bonecos da AACD: Tonzinho ou a Nina. Doações acima de R$170 ganham os dois bonecos. Todas as entregas serão realizadas sem nenhuma taxa adicional.

Fonte: Logweb

Instituto de Engenharia realiza seminário sobre a atividade portuária em São Paulo

Evento promoveu um debate entre as autoridades portuárias e a iniciativa privada

O Instituto de Engenharia, sociedade civil sem fins lucrativos, realizou, no dia 3 de novembro, a 11ª edição do Seminário Caminhos da Engenharia Brasileira, em sua sede em São Paulo. Nesta edição, o evento teve o tema Atividade Portuária, por que investir?
O objetivo do seminário é promover um debate entre as autoridades portuárias e a iniciativa privada sobre questões como o papel da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), a legislação portuária, a segurança jurídica para os empreendedores, os marcos regulatórios e perimetrais, entre outras.
O evento foi aberto por José Wagner Leite Ferreira, coordenador técnico da Divisão de Logística do Instituto de Engenharia. “A ideia desse evento foi juntar todos os lados da atividade portuária, as autoridades e as pessoas que investem no porto, para uma conversa entre amigos. Aqui todo mundo tem conhecimento sobre o tema. Queremos tirar desse evento ideias novas para a atividade portuária e sanar dúvidas que ainda possam persistir”, disse. Também participou da abertura Adalberto Tokarski, diretor-geral da Antaq. “Essa discussão está sendo feita em um momento muito propício para se falar sobre a área portuária, devido principalmente ao momento que estamos vivendo no país”, destacou Tokarski.
Ao longo do dia foram debatidos os tópicos Desafios regulatórios do setor portuário, Quadro atual dos portos brasileiros, Terminais privados na Nova Lei dos Portos, Programa de Parcerias e Investimento (PPI), Portos: rearranjo institucional e perspectiva, Terminal Portuário de São Luis (MA), O Porto de Santos (SP): presente e desafios e Marcos regulatórios.
Fundado há exatos 100 anos, o Instituto de Engenharia tem como missão promover a engenharia em benefício do desenvolvimento e da qualidade de vida da sociedade. A entidade busca promover fatores como a defesa do interesse público no segmento, a evolução da engenharia e seu desenvolvimento científico e tecnológico, o desenvolvimento sustentável e a valorização da profissão do engenheiro e seu aprimoramento educacional, profissional e cultural.


Nem a brita escapa na ferrovia Norte-Sul

Estudo revelou que a qualidade das pedras está em total desconformidade com o que exige a própria Valec, estatal responsável pelo empreendimento

Brasília – Nem mesmo as pedras usadas na construção da Ferrovia Norte-Sul estão imunes às irregularidades que marcam a história de uma das obras logísticas mais caras do Brasil, inflada por frequentes superfaturamentos.
Um ensaio técnico feito com as milhares de toneladas de britas usadas em um dos lotes da ferrovia, na região de São Simão, em Goiás, revelou que a qualidade das pedras está em total desconformidade com o que exige a própria Valec, estatal responsável pelo empreendimento, ou mesmo com as especificações técnicas da ABNT e as normas internacionais do setor.
A conclusão faz parte de um relatório do Laboratório de Materiais de Construção Civil do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Depois de analisar a formação das britas usadas na obra desse lote, foram constatados problemas graves com a porosidade das pedras.
Foram feitos 20 ensaios para testar a dureza da brita. Nenhum deles chegou à tolerância admitida pelas normas técnicas.Os resultados apontaram um teor de porosidade de até 14,16% no pedregulho, quando o limite máximo previsto pela própria Valec é de apenas 1%.
A presença de barro encontrado nas pedras foi outra surpresa. Os estudos revelaram um alto teor de torrões de argila nas amostras coletadas. O volume máximo permitido, conforme as regras técnicas, é de 0,5%, mas os resultados apontaram um teor de 16,15%.
Auditoria. As informações do IPT foram incluídas em um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), que analisou o andamento das obras do trecho sul da Norte-Sul, malha de 682 quilômetros de extensão que está em construção entre os municípios de Ouro Verde (GO) e Estrela D’Oeste (SP).


“Há uma série de ensaios realizados, porém os índices encontram-se reprovados em todos”, afirma a auditoria feita pelo TCU, após analisar os estudos do instituto de pesquisa.A constatação da baixa qualidade das pedras, no entanto, não fez com que a empreiteira Constran, responsável pelo trecho, deixasse de utilizá-la. “O laudo do IPT opinou pela reprovação da brita como lastro ferroviário, porém não se obteve maiores informações acerca das razões que motivaram a empresa a persistir com a aplicação de insumos pétreos não aprovados pela Valec”, declaram os auditores da corte de contas.O levantamento do TCU aponta que a empreiteira já movimentou mais de 410 mil metros cúbicos de pedra para tocar as obras em seu lote de 168 quilômetros de extensão, operações que já consumiram R$ 52 milhões, a preços de 2009.A preocupação com o que já foi executado no trecho é grande, porque o uso das pedras de baixa qualidade em estruturas de concreto, como pontes e dormentes, pode reduzir a vida útil dessas estruturas, o que eleva o risco de acidentes.

Suspensão
Antes mesmo de apurar toda a extensão física e financeira do problema, ou seja, quais as estruturas e a quantidade de pedra que foi utilizada, o Tribunal de Contas da União determinou que a Valec suspendesse imediatamente o trabalho no lote da Constran. A estatal confirmou à reportagem que paralisou as obras e o uso da brita no trecho.A nova “pedra” no caminho da Norte-Sul pode comprometer ainda mais seu cronograma, que previa conclusão de todo o trecho sul até julho de 2017, um atraso de cinco anos em relação ao prazo original.
Ao analisar esse risco, o TCU concluiu que é melhor parar agora o empreendimento do que prosseguir com o uso de pedras de baixa qualidade.Seria necessário interromper o tráfego da ferrovia para refazer a estrutura, declarou o ministro-relator do processo, Augusto Sherman Cavalcanti. “Uma maior extensão a ser refeita implica em maiores prejuízos e em aumento do tempo sem a possibilidade de prestação dos serviços de transporte ferroviário”, afirmou, em sua conclusão.
Agora, o TCU quer entender porque Valec, Constran e Contécnica Consultoria Técnica, que analisou o trecho, deram autorização para que se usasse a brita retirada da Pedreira Fazenda Confusão do Rio Preto, uma vez que os ensaios técnicos do IPT já tinham revelado que as pedras não atendiam às exigências técnicas adotadas pela própria estatal federal.
Questionada sobre o assunto, a Valec informou apenas que “a matéria está sob análise” e que cobrou explicações da Constran e da Contécnica. A empreiteira declarou que não vai comentar o assunto. A Contécnica não respondeu aos pedidos de esclarecimentos. Em sua conclusão, o TCU determinou à Valec que identifique “a extensão do dano e os responsáveis pela aquisição e aplicação de lastro de brita impróprio”.
Alvo frequente de adiamentos, esquemas de superfaturamento e irregularidades apuradas pelo tribunal de contas e a Polícia Federal, o trecho sul da Norte-Sul viu seu orçamento saltar de R$ 2,7 bilhões para R$ 5,1 bilhões, segundo o orçamento mais recente. A malha de 682 km está em fase de conclusão, com mais de 90% de suas obras executadas.
Com a Constran, um dos principais alvos da Operação Lava Jato, o contrato da ferrovia é de R$ 612 milhões. Até maio, a execução das obras no lote da empreiteira chegava a 79% do previsto.

Fonte: Exame

CargoX a “Uber do transporte de cargas” anuncia 600 vagas e inicia expansão para 2017

Nos últimos meses, investidores e especialistas têm retomado a confiança na economia brasileira e realizam projeções otimistas, isso motiva mercados que estavam em baixa e impulsiona ainda mais empresas que já caminhavam na contramão do momento instável. Esse é caso da CargoX (www.cargox.com.br) – transportadora que opera conectada em tempo real a uma rede de mais de 100 mil caminhoneiros autônomos – que anuncia a abertura de mais 600 vagas para iniciar sua expansão em 2017.

As oportunidades são nas áreas de vendas, marketing e desenvolvimento tecnológico, a última área com destaque para engenheiros com conhecimento em PHP, Android e Lidar para desenvolvimento da divisão de self driving technology. A grande parte das oportunidades tem como sede a cidade de São Paulo, onde fica matriz da companhia, entretanto as filiais já ativas no Mato Grosso e na Argentina, além das futuras na região Sul e Nordeste do Brasil, também irão selecionar profissionais para integração de suas equipes. A empresa busca candidatos jovens, criativos, com energia e vontade de fazer a diferença. Segundo Federico Vega, CEO da CargoX, as vagas são uma chance para quem deseja crescer e seguir um plano de carreira. “Valorizamos a performance da nossa equipe e acreditamos na meritocracia, onde todos podem crescer e os colaboradores mais valiosos são recompensados, isso mantém eles sempre preparados para atender nossos clientes da melhor forma, se tornando especialistas e transmitindo isso em suas atividades”, destaca.
Desde o seu lançamento, em março de 2016, a companhia conquistou seu espaço no mercado por ter como seu principal diferencial a inovação, aposta na gestão colaborativa como item fundamental da sua cultura organizacional. A empresa já superou 90% dos R$ 48 milhões projetados em sua meta anual de faturamento e deve ultrapassar esses números nos primeiros 12 meses de atuação. “Vamos intensificar as contratações para dar suporte ao nosso crescimento, mantendo o mesmo nível de qualidade no serviço e atendimento ao cliente.”, complementa Federico Vega.
Para Guilherme Miranda, atualmente analista de logística da empresa, mas que iniciou na equipe como estagiário e faz parte do projeto desde o início, o crescimento da companhia impacta a todos internamente, já que observam as oportunidade surgindo e novos profissionais acrescentando conhecimento aos processos. “Ver que a empresa se movimenta para ser maior é muito motivador, nós ficamos animados, as chances surgem e todo seu esforço é reconhecido e recompensado, seja em forma de evolução profissional ou no acréscimode saber” completa.
Os primeiros processos seletivos já estão disponíveis e as oportunidades devem ser preenchidas até dezembro do próximo ano. Para se candidatar à vaga, o interessado deve cadastrar seu currículo no link: trabalheconosco.cargox.com.br indicando a área que deseja trabalhar (vendas, operacional, desenvolvimento e marketing) no formulário disponível.

Fonte: Logweb

Setor do transporte rodoviário de cargas está confiante com implantação do Marco Regulatório e Reforma Trabalhista

Os dois temas estão em pauta há alguns meses, em Brasília, e os representantes catarinenses da área do transporte acompanham de perto as discussões e as audiências públicas feitas no próprio Congresso ou por entidades que buscam soluções para impasses que vão desde a falta de segurança jurídica, multas indevidas, condenações trabalhistas, entre outros pontos.
No início do ano, os empresários entregaram aos deputados federais catarinenses reivindicações para discussão do marco regulatório. Este projeto é um conjunto de leis cíveis para regulamentar o transporte rodoviário de cargas e otimizar o trabalho dos três segmentos: autônomos, transportadoras e cooperativas. No momento o projeto está na Câmara dos Deputados, e a expectativa é que seja votado já no início de 2017. “ Acreditamos que alguns pontos polêmicos ainda sejam discutidos e a tendência é que saia ajustes, ou então, deve ir direto para votação”, pontuou o advogado membro da Comjur ( Fetrancesc), Cassio Vieceli. Apesar da previsão de votação no começo do ano que vem, por enquanto não estão agendadas novas reuniões por parte do legislativo para debater as propostas. A última estava marcada para 06 de junho, mas foi cancelada.
Outro assunto que vem gerando expectativa entre os empresários do transporte é a oportunidade de discutir uma reforma trabalhista. No início de setembro, cerca de 40 transportadores que integram um grupo chamado Transportando Ideias e membros dos sindicatos catarinenses estiveram com o ministro Ronaldo Nogueira e tiveram a chance de expor as problemáticas. A reforma trabalhista quer possibilitar a segurança jurídica para várias classes que hoje sofrem com a insegurança, entre elas a do transporte. A intenção é “evitar aborrecimentos de ordem trabalhista após a contratação de colaboradores, pela grande quantidade de más interpretações ou até mesmo tendenciosas. Ficou claro para ministro que o problema não é o trabalhador, mas quem está por trás disso (palavras do ministro na reunião)”, pontuou Vieceli, que também participou do encontro.
As mudanças propostas pelo ministério, devem ser encaminhadas ao Congresso até no segundo semestre do ano que vem. A ideia do Ministério do Trabalho é criar modalidades de Relações de trabalho como: celetista, por produtividade, funções técnicas e por horas trabalhadas.
O fortalecimento dos acordos coletivos também deve ser levado em conta com mudança na legislação, possibilitando estritamente a aplicação da lei, sem outros entendimentos judiciais, como funciona hoje. De acordo com Vieceli, este é um grande problema enfrentado hoje pelo setor patronal, os diversos posicionamentos e entendimentos do judiciário. Porém, é preciso frisar que “ não será retirado nenhum direito do trabalhador e não será dado privilégio ao empregador. O que vai haver é um equilíbrio na relação de trabalho, que hoje não tem”, explicou.
Para o presidente do segundo maior sindicato de empresas de transporte rodoviário de carga de Santa Catarina – SEVEÍCULOS, Paulo Espíndola, este é um momento importante e decisivo para o setor. ” A lei trabalhista ela está defasada e precisa passar por um processo de revisão e mudanças. Mudanças que venham favorecer os dois lados, tanto o funcionário, quanto o empregador. Mudanças para melhorar, não estamos falando aqui em mexer nos direitos dos funcionários, até porque o empresário reconhece a necessidade destes colaboradores. Mas o empresário precisa contar com alguns benefícios, incentivos, hoje são impostos em cima de impostos, exigências em cima de exigências. É necessário que o governo perceba a importância do setor de transporte”, destaca Paulo Espíndola.

Fonte: Logweb

DHL lança ferramenta online que mede emissão de gases no transporte de carga

O Carbon Calculator é gratuito e pode ser utilizado para trechos nacionais e internacionais e de qualquer modal

A DHL Global Forwarding, divisão do Grupo Deutsche Post DHL especializada em fretes aéreos e marítimos, lançou o DHL Carbon Calculator, ferramenta online que permite o cálculo do volume de gases que provocam o efeito estufa no transporte de cargas. A ferramenta, que é gratuita, permite que proprietários e transportadores calculem as emissões de quase qualquer tipo de carga e modal utilizado (aéreo, marítimo, rodoviário, ferroviário, etc.). O cálculo é feito online e em tempo real, com base em algoritmos inteligentes e bases de dados internacionais reconhecidas.
“Enquanto muitas ferramentas online proporcionam apenas uma estimativa grosseira das emissões nos transportes e rotas, o DHL Carbon Calculator é baseado em dados logísticos reais” explica Kathrin Brost, vice-presidente de Estratégia Sustentável e Inteligência do Cliente da DHL Global Forwarding. Esses dados incluem a rota da origem até o aeroporto ou porto mais próximo, o trecho principal via área ou marítima e o trecho final (last mile) no país destino.


Para determinar o nível de emissões, o DHL Carbon Calculator usa dados de seu Departamento de Contabilidade e Controle de Carbono. A tecnologia utilizada reflete protocolos internacionais como o Greenhouse Gas Protocol, o European Standard EN 16258, assim como o Global Logistics Emissions Council.
Para calcular as emissões, o internauta deve preencher a localização do remetente e do destinatário, assim como o volume e peso dos produtos embarcados. Baseados nestas informações, o DHL Carbon Calculator recomenda uma rota de transporte, que pode ser alterada. Com isso, a ferramenta calcula o montante de CO2 e outros gases do efeito estufa que o transporte irá gerar. As consultas à ferramenta são gratuitas e não demandam registro. No entanto, usuários registrados tem acesso a uma gama ampliada de funções analíticas.
De acordo com Cindy Haring, CEO da DHL Global Forwarding Brasil, “a ferramenta da DHL auxilia o cliente a desenhar cenários e optar pelas rotas com maior eficiência em termos de emissão de gases poluentes.  Neste sentido, a calculadora pode ser ‘termômetro’ complementar para a eficiência da operação logística”, diz.
No Brasil, além do DHL Carbon Calculator, a DHL Global Forwarding oferece mais dois tipos de relatórios analíticos na área de sustentabilidade: o Carbon Report, que individualiza o volume de emissões de embarques realizados com a DHL (permitindo inclusive recortes especiais por empresa, rota comercial, período ou produto), e o Carbon Dashboard, que une as informações da emissão de carbono, índices de eficiência da operação e propõe cenários alternativos com alterações nos modais, rotas e outros parâmetros.


White Martins utiliza metodologia digital e de análise de dados para a otimização da gestão logística


Por meio da metodologia digital e de análise de dados em larga escala, a White Martins garante o abastecimento de gases industriais e medicinais para mais de 5.000 clientes, em todo o País. O uso da ferramenta foi fundamental para que, em 2015, a empresa alcançasse a marca de 99,99% de entregas bem-sucedidas (mais de 200 mil viagens por ano) de gases criogênicos na forma líquida (oxigênio, nitrogênio, argônio e CO2). 
Para saber o momento exato de abastecer os seus clientes, a companhia utiliza o Remote Telemetry Unit (RTU), um transmissor com chip acoplado aos tanques nos sites dos clientes, que indica para a sua Central Nacional de Logística (CNL), localizada no Rio de Janeiro, a quantidade de produto em estoque. Essa informação online é recebida a cada hora pela CNL e, juntamente com informações obtidas pela Central de Relacionamento ou geradas a partir de análise no site do cliente, origina uma base de dados capaz de definir o padrão de consumo do cliente. Dessa forma, a White Martins tem o completo entendimento do perfil do cliente e garante a confiabilidade do suprimento, durante todo o ano.
A empresa ainda utiliza softwares, como o Dynamic Touring Scheduling, monitorados remotamente, para identificar a melhor rota e cronograma de entregas. “A tecnologia ainda está presente na avaliação dos riscos das viagens. Por meio de equipamentos instalados nas carretas, a empresa consegue monitorar remotamente indicadores, como aceleração, frenagem, forma de condução, controle da jornada dos motoristas, entre outros. Câmeras instaladas em pontos estratégicos da carreta produzem vídeos que possibilitam verificar como foi o andamento de cada viagem”, analisa o gerente de Logística da White Martins, Paulo Petterle.
As informações processadas podem alcançar 1,4 GB por dia, nos clientes da White Martins, que utilizam o RTU. Cada viagem gera, em média, 40 MB, entre vídeos e dados relevantes para o gerenciamento das carretas da White Martins, no programa de distribuição de gases criogênicos líquidos. A ecoeficiência desse programa tem resultados robustos. Em 2015, a companhia deixou de rodar 620 mil km e reduziu em 5% as suas emissões de CO2. 


Rodovia dos Bandeirantes é eleita a melhor do país pelo 5º ano consecutivo, em segundo lugar a Rodovia SP-225, de Bauru

Segundo estudo da CNT, as rodovias concedidas à iniciativa privada apresentaram avaliação superior às que são administradas pelo poder público

Foi divulgada, no dia 26 de outubro, a Pesquisa CNT de Rodovias 2016, feita pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), que avalia a situação de toda a malha federal e estadual pavimentada do Brasil. Pelo quinto ano consecutivo, a Rodovia dos Bandeirantes (SP-348) foi eleita a melhor rodovia do país. Em segundo lugar ficou a Rodovia SP-225, de Bauru (SP) a Itirapina (SP) e em terceiro a Via Anhanguera (SP-330/BR-050), de São Paulo a Uberaba (MG).
A Rodovia dos Bandeirantes é administrada pela CCR AutoBAn desde 1998. Até julho deste ano a concessionária já investiu R$ 2,9 bilhões em obras e melhorias, como o prolongamento de Campinas (SP) a Cordeirópolis (SP), que representou um aumento de 78 km na extensão da rodovia, e a construção da quarta e a quinta faixa entre São Paulo e Jundiaí (SP), entregues em 2006 e 2014, respectivamente.


Segundo o estudo, as rodovias concedidas à iniciativa privada apresentaram avaliação superior às que são administradas pelo poder público: 78,7% da malha concedida pesquisada teve avaliação ótima ou boa. No ranking das 109 ligações rodoviárias, as 19 melhores rodovias do Brasil são administradas por concessionárias. Vale ressaltar que das 30 melhores rodovias, 27 são concedidas à iniciativa privada.
“O programa brasileiro de concessões de rodovias já tem 20 anos de história e a pesquisa confirma o sucesso do modelo”, afirma César Borges, presidente da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR). “Os resultados das rodovias concedidas são satisfatórios e as perspectivas animadoras. Nos últimos 20 anos, os trechos receberam investimentos na ordem de R$ 50 bilhões da iniciativa privada e outros R$ 20 bilhões estão programados para os próximos cinco anos”, diz.
Ao avaliar o estado geral das rodovias sob gestão pública, a pesquisa mostra uma situação inversa à das concedidas: 67,1% apresentam algum tipo de deficiência e estão classificados como regular, ruim ou péssima. “Como as rodovias são responsáveis pela maioria da movimentação de cargas que circulam pelo país, as más condições de conservação e sinalização das estradas representam um dos principais gargalos. Isso reflete a necessidade constante de investimentos do poder público, somados com a capacidade de atuação da iniciativa privada, expressa nas concessões”, ressalta Borges.
A pesquisa aponta que a malha rodoviária pavimentada do Brasil é pequena, principalmente quando comparada com a de outros países de dimensão territorial semelhante. No Brasil, são aproximadamente 25 km de rodovias pavimentadas para cada 1.000 km² de área, o que corresponde a apenas 12,3% da extensão rodoviária nacional. Nos Estados Unidos, são 438,1 km por cada 1.000 km² de área. Na China são 359,9 km e na Rússia, 54,3 km.
“O Brasil é um país que necessita, e muito, de investimento em infraestrutura de uma forma geral. Nós precisamos de mais e melhores estradas, de ferrovias, de portos, de aeroportos, de transporte pelos mares e rios”, aponta Borges. “Nós simplesmente não exploramos todo o nosso potencial. O que precisamos é eliminar os gargalos da infraestrutura que ainda impedem o pleno desenvolvimento do país. Para isso, governo e iniciativa privada podem atuar de forma conjunta, cada um a seu modo, somando os melhores esforços para modernizar num curto espaço de tempo a infraestrutura brasileira”.
A pesquisa envolveu 20 equipes de pesquisadores que trabalharam em 13 de capitais para a coleta das informações, avaliando toda a malha federal pavimentada e as principais rodovias estaduais pavimentadas. Foram levadas em consideração as condições gerais, do pavimento, da sinalização e da geometria da via. O material auxilia nos estudos para que as políticas setoriais de transporte, projetos privados, programas governamentais e atividades de pesquisa promovam o desenvolvimento da infraestrutura rodoviária do país. A Pesquisa CNT de Rodovias 2016 pode ser conferida na íntegra no site da entidade.


Scania apresenta solução inteligente para gestão de frotas

Companhia promete levar mais eficiência às operações com ferramentas que analisam desde as rotas percorridas até a forma de conduzir dos motoristas

A Scania apresentou no dia 27 de outubro, em coletiva de imprensa realizada em São Paulo, sua nova solução tecnológica para o controle de frotas, chamada Serviços Conectados. A novidade surge com a premissa de oferecer um uso inteligente dos dados gerados pelos veículos com o objetivo de proporcionar a otimização das operações dos clientes da marca.
Utilizando o sistema, o transportador e a Scania têm acesso a uma variedade de informações a respeito do veículo e, por meio delas, é possível identificar diversos fatores, como estilo de condução do motorista, velocidade média, consumo de combustível e intervalos de manutenção.
Os Serviços Conectados consistem em quatro ferramentas principais. Com o Planejamento de Serviços, o transportador tem controle total sob sua frota. É possível saber exatamente a quilometragem rodada, visualizar todos os modelos que compõem a frota e acompanhar um calendário para controlar os reparos e revisões, para garantir maior disponibilidade e produtividade dos veículos e melhor assertividade nos serviços de manutenção.
Já o Diagnóstico Remoto analisa os dados de condução em tempo real e, se necessário, promove ações de melhoria do condutor. Além disso, no caso de paradas emergenciais do veículo, ao ligar para a central de apoio da Scania, o cliente informa o problema e o atendente consegue obter um relatório com os códigos das falhas, agilizando o socorro. A ferramenta permite ainda que a rede Scania detecte eventuais problemas para atuar de forma proativa no planejamento de serviços e na correção de avarias
O Relatório de Tendências periódico (semanal ou mensal) apresenta de forma fácil e intuitiva dados de desempenho da frota, categorizados por parâmetros, como consumo de combustível, marcha lenta, freadas bruscas e excesso de velocidade. Indicadores reportam se a performance está melhor ou pior em relação ao período anterior examinado.
Por fim, o Portal de Gestão de Frotas é o canal entre o cliente e a rede de concessionárias Scania. Ele oferece acesso on-line a dados e tendências que possibilitam o planejamento e o gerenciamento da operação. Por meio dos dados recolhidos, a rede Scania realiza uma consultoria com informações aprofundadas e identifica pontos que podem ser melhorados.
Além das ferramentas citadas, há ainda o Gestor de Frotas, um serviço em que um especialista da rede Scania atua diretamente nos clientes, utilizando ao máximo as benfeitorias proporcionadas pelas novas soluções dos Serviços Conectados para aumentar a disponibilidade da frota e a confiabilidade do produto e colocar em prática ações para reduzir os custos operacionais.
Os dados são enviados por um módulo, chamado Scania Communicator, instalado nos veículos. Todos os benefícios do novo sistema estarão à disposição a partir de janeiro de 2017. Os caminhões e ônibus Scania produzidos desde maio de 2016 já foram equipados de série com o dispositivo. No entanto, os proprietários desses veículos devem procurar uma concessionária Scania para que ele seja ativado e passe a enviar as informações. Para caminhões e ônibus fabricados a partir de 2012 e 2013, o módulo poderá ser facilmente instalado também em qualquer concessionária da marca. O uso também é possível em veículos mais antigos, mas dependerá de uma avaliação técnica e da viabilidade dos custos de adaptação.
Os Serviços Conectados estão disponíveis em dois pacotes: Análise e Desempenho. O Análise é gratuito e válido por dez anos para os veículos que já possuem o módulo Communicator instalado e ativado. Com ele, tanto o cliente quanto a Scania terão uma visão geral da frota conectada e o transportador terá acesso ao Portal de Gestão de Frotas para a funcionalidade de planejamento de serviços. Além disso, o veículo poderá enviar o diagnóstico remoto de falhas para o Scania Assistance e também para qualquer uma das concessionárias Scania.
Já o pacote Desempenho é utilizado mediante uma assinatura mensal e incorpora todos os benefícios oferecidos pelas novas tecnologias, com dados muito mais detalhados tanto no que diz respeito às informações operacionais dos veículos quanto dos motoristas. É possível até mesmo indicar se um condutor precisa ser treinado ou reorientado em pontos específicos, como na redução do consumo de combustível utilizando a marcha lenta, ou corrigir hábitos inadequados de condução em descidas, com a caixa de câmbio na posição neutra.
“A Scania é pioneira em oferecer esta proposta ao mercado brasileiro e conta com a experiência de mais de 200 mil veículos conectados em todo o mundo”, comenta Roberto Barral, diretor-geral da Scania no Brasil. “Com os Serviços Conectados Scania nós superamos a barreira da telemetria para oferecer uma alternativa completa ao transportador. Nosso foco é promover uma visão mais holística, para que ele possa realizar a gestão mais eficiente da frota e, consequentemente, aumentar a rentabilidade de modo progressivo”.


Maplink adquire francesa Optilogistic em expansão a exterior

A Maplink, empresa brasileira de tecnologia em geolocalização, anunciou nesta segunda-feira a compra da francesa Optilogistic, especializada em logística, em uma estratégia de expansão territorial e de portfólio de produtos.
Com a aquisição, a Maplink, fundada em 2000 e que oferece soluções de logística a empresas, passa a atuar também nos Estados Unidos, Europa e África, além da América Latina onde já estava presente na Argentina, Chile, Colômbia e México.
A Optilogistic, criada em 1992, é especialista no setor de agronegócio, com foco no segmento de laticínios. "Vimos a chance de aumentar nosso portfólio de produtos e também de entrar em um mercado em que a gente não tinha presença, como o europeu", disse à Reuters o presidente-executivo da Maplink, Frederico Hohagen.
Embora não tenha revelado o valor da aquisição, a Maplink, parceira do Google Maps na América Latina, estima que entre o acordo de compra, investimentos, marketing e contratação de pessoal, o montante envolvido na operação alcance 20 milhões de reais este ano.
Hohagen prevê uma alta de 80 por cento nas receitas da companhia no ano fiscal que encerra em março de 2017 ante o exercício anterior, desempenho que deve ser ajudado pela aquisição da empresa francesa, embora a operação não será a única responsável por tal resultado.
Para o executivo, o crescimento nas receitas também se explica devido à expansão territorial da empresa, particularmente no mercado externo. Atualmente, 30 por cento da receita vem de fora do Brasil e a expectativa da Maplink é de que essa fatia alcance mais de 50 por cento até o final deste ano fiscal.
A companhia recebeu em 2014 aporte de 36 milhões de reais feito pela empresa brasileira especializada em aplicativos e conteúdos para plataformas móveis, Movile, que tem entre os investidores o grupo sul-africano Naspers.
"Com essa expansão internacional tivemos uma oportunidade de receita sem depender do Brasil, embora nossa principal receita e nossos escritórios estejam aqui, mas ter receita em outros mercados tira um pouco o risco da dependência do mercado brasileiro", disse Hohagen.
Fonte: Exame

Começa hoje a Movimat – Salão Internacional da Logística, evento que traz soluções completas para toda a cadeia



A MOVIMAT – Salão Internacional da Logística Integrada tem início hoje, dia 20, Pavilhão Branco do Expo Center Norte, em São Paulo, e, vem para apresentar as novidades do setor, impulsionar ainda mais o segmento, proporcionando o encontro de grandes marcas do mercado. Entre os destaques, a XX Conferência Nacional de Logística (CNL), evento simultâneo à MOVIMAT e organizada pela Associação Brasileira de Logística (ABRALOG), apresentará o tema “Experiência da Logística Olímpica”, que contará com a presença de Maurício Gonçalves, gerente de Logística da Rio 2016 e, José Furian Filho, vice-presidente de Logística dos Correios.
Promovida pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, a MOVIMAT está consolidada como o principal evento da cadeia logística e envolverá os seguintes setores: Intralogística (elevação e movimentação, automação, empilhadeiras, armazenagem e embalagem), Condomínios Logísticos (Real Estate), Multimodalidade, Segurança e Gerenciamento de Risco e Tecnologia da Informação.
“A MOVIMAT atrai um público altamente qualificado e notamos um aumento substancial nos visitantes com perfil de compra e planejamento. O número de pré-credenciados já superou o da edição anterior. Nossas as expectativas são muito positivas para a geração de negócios a partir da feira”, afirma o vice-presidente da Reed Exhibitions Alcântara Machado, Paulo Octávio Pereira de Almeida, empresa que promove a MOVIMAT.

SERVIÇO:
MOVIMAT – SALÃO INTERNACIONAL DA LOGÍSTICA INTEGRADA
Data: 20 a 22 de setembro de 2016
Horário: das 13h às 20h
Local: Expo Center Norte – Pavilhão Branco
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme | São Paulo-SP


Continental constrói centro de pesquisa para borracha feita a partir do dente-de-leão

Laboratório impulsionará o cultivo e o processamento do vegetal para a produção de pneus

A partir da construção de um centro de pesquisa para a industrialização do cultivo e o processamento da borracha oriunda do dente-de-leão, a Continental planeja expandir seu projeto batizado de Taraxagum. O projeto é conduzido em colaboração com o IME Fraunhofer Institute, com o Julius Kühn Institute e com especialistas em desenvolvimento de plantas de Eskusa, em Parkstetten, na Alemanha.
A empresa investirá aproximadamente 35 milhões de euros na primeira fase do projeto. “A construção do Laboratório Taraxagum é parte de nosso consistente esforço de implementação da estratégia de crescimento de longo prazo Visão 2025, que envolve pesados investimentos em nossas capacidades de produção e de pesquisa”, disse Burkhardt Köller, chairman do Management Board da Continental Reifen Deutschland GmbH e chefe do Controlling na divisão de Pneus da Continental.
“Com o Laboratório Taraxagum alcançamos um marco nesse projeto”, explica Andreas Topp, chefe de Material, Desenvolvimento de Processos e Industrialização de Pneus da Continental. “Esse projeto excitante tem sido desenvolvido em um ritmo promissor. Uma pequena série de pneus Taraxagum, com a banda feita integralmente de borracha de dente-de-leão, foi testada contra pneus convencionais feitos de borracha natural e os resultados foram extremamente positivos. Agora, nós queremos avançar para a produção em série de Taraxagum e com o novo laboratório estamos criando as fundações para isso”, diz.
A Continental começou a trabalhar no desenvolvimento de Taraxagum há cerca de cinco anos. O dente-de-leão russo foi cultivado de modo a poder ser produzido em maiores quantidades do que a borracha tradicional derivada das árvores tropicais. Novos processos e métodos de produção também estão sendo desenvolvidos para produzir a borracha empregada na produção de pneus e de outros produtos a partir da seiva de látex da raiz da planta.
Nas experiências iniciais, a Continental produziu pneus de inverno para carros de passeio e autopeças. O dente-de-leão também pode ser cultivado no Norte e no Oeste da Europa, fazendo com que seja muito mais curta a rota de transporte entre os locais de produção no continente, contribuindo assim para um uso sustentável e socialmente viável dos recursos existentes.


Projeto sustentável rende o selo Gold da certificação Leed ao Golgi Seropédica

Empreendimento é o primeiro do estado do Rio de Janeiro a obter o reconhecimento

O condomínio Golgi Seropédica, localizado no município de Seropédica (RJ) e pertencente à incorporadora Golgi, é o primeiro no estado do Rio de Janeiro – e o segundo em todo o país – a conquistar o nível Gold da certificação Leadership in Energy and Environmental Design (Leed), concedida pelo U. S. Green Building Council.
O selo atesta os mais altos padrões internacionais de construção sustentável, desde a fase de projeto até a operação. Além disso, a certificação assegura que foram tomadas medidas para oferecer mais qualidade no ambiente de trabalho para todos os ocupantes do empreendimento.
Para garantir a eficiência hídrica e reduzir o consumo de água no Golgi Seropédica, o paisagismo foi feito utilizando espécies nativas e foram instalados dispositivos redutores de vazão e arejadores nas torneiras, chuveiros e mecanismos de descarga dual flush. Além disso, o sistema de irrigação utiliza água das estações de tratamento de esgoto.


O condomínio conta também com alta eficiência energética, com chuveiros com aquecimento solar, priorização da iluminação natural para manter as luzes desligadas durante o dia, isolamento térmico, pintura de paredes e pavimentos com cores claras, uso de telhas de alta refletância e ventilação natural. Tudo isso proporcionou uma redução de 37% do consumo de energia.
Pensando na segurança dos ativos e colaboradores, o empreendimento conta ainda com padrão rigoroso de segurança 24 horas por dia, por meio de operação profissional terceirizada que inclui portaria com eclusas, guarita blindada, circuito fechado de TV, sala de controle de segurança, perímetro monitorado com duplo cercamento, cercas eletrificadas, dilaceradores de pneus e controle de acesso por biometria.
Situado próximo ao entroncamento do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro com a Rodovia Presidente Dutra, o Golgi Seropédica apresenta acesso facilitado ao Porto de Itaguaí e seu polo siderúrgico, aos polos petroquímicos de Duque de Caxias e Itaboraí, ao Aeroporto do Galeão, à cidade de São Paulo e aos grandes centros consumidores e principais portos do país.
Construído em um terreno de 522 mil m², o projeto do Golgi Seropédica conta com uma área total de 241 mil m² para armazenagem. Atualmente, 53 mil m² correspondentes à primeira fase do empreendimento, no galpão A, estão locados para uma operação de e-commerce, e 32 mil m² estão disponíveis para locação imediata. Além disso, o galpão B já está disponível para locação.
A estrutura conta também com pátio externo para carretas e vagas internas, além de áreas comuns que atendem a colaboradores, terceirizados e fornecedores com auditório, salas de reuniões, vestiários, restaurante e áreas de convivência e de apoio ao caminhoneiro. No primeiro semestre de 2017 entrará em operação, com 250 mil m², outro condomínio da empresa, o Golgi Duque de Caxias (RJ).


Maior termelétrica movida a biogás de resíduos sólidos urbanos do Brasil é inaugurada no Estado de São Paulo

Empreendimento representa um importante reforço energético para São Paulo e tem a sustentabilidade ambiental como pilar


Com potência instalada de 29,5 MW e investimentos de mais de R$ 100 milhões, foi inaugurada nesta sexta-feira, 16 de setembro, em Caieiras, região metropolitana de São Paulo, a maior termelétrica movida a biogás de aterro sanitário do Brasil e uma das maiores do mundo.
Representando o governador Geraldo Alckmin, o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, destacou a importância da geração desse tipo de energia. “A primeira coisa que o homem produz no ambiente urbano é lixo e uma das principais necessidades do ser humano nos dias atuais é a energia elétrica. Além de dar segurança energética ao centro de carga do país, essa usina realiza um dos principais desafios do mundo moderno, que é transformar resíduos urbanos em energia elétrica limpa”, afirmou.


A Termoverde Caieiras, que pertence ao Grupo Solví, foi construída na Central de Tratamento e Valorização Ambiental (CTVA) da Essencis, no km 33 da Rodovia Bandeirantes, e gera energia limpa a partir do resíduo depositado no aterro sanitário da Essencis. O gás metano, o principal componente do biogás, é o combustível utilizado para a geração de energia.
“Mesmo em tempos de crise econômica, o conselho deliberativo teve a coragem de aprovar um investimento desse valor gerando emprego e apoiando o meio ambiente. Estamos aqui deixando um legado”, destacou o diretor técnico do grupo Solví, Eleusis Creddo.
A usina foi construída em uma área de 15 mil metros quadrados e teve autorização da Aneel para iniciar a operação em julho de 2016. Como contrapartida ambiental, a Termoverde Caieiras realizou a preservação da vegetação e da fauna local, a manutenção da topografia existente, a não geração de odores e a isenção de riscos de poluição de mananciais e da atmosfera.
“Parabenizamos o grupo Solví por essa inauguração, por acreditarem no Brasil e na cidade de Caieiras”, disse o prefeito do município, Roberto Hamamoto.
A produção da usina é suficiente para abastecer até 130 mil residências, segundo a empresa.

Fonte: Energia SP

''Brasil viverá em 2018 o início do maior ciclo de prosperidade de sua história'', afirma Eduardo Tevah

Eduardo Tevah, um dos palestrantes de maior sucesso na Região Sul, afirma que o Brasil viverá em 2018 o que ele chama de “̤maior ciclo de prosperidade de sua história’’.

Administrador de empresas formado pela UFRGS, especialista em gestão de pessoas, diretor-presidente da DE Consultores Associados e autor de cinco livros (com mais de 300 mil exemplares vendidos), Tevah enfatiza que o Brasil já chegou ao fundo do poço e, partir de agora, inicia-se o processo de retomada.
"A boa notícia, por tudo o que a gente está acompanhando, é que o pior já passou. Não significa que já está bom, mas é possível antever que teremos um final de 2016 com sinais claros de retomada do crescimento econômico”, afirma. Para Tevah, 2017 será bom e 2018 será marcado pelo início de uma era de prosperidade jamais vista na história do Brasil.
A visão do palestrante tem como base viagens pelo Brasil e o contato com os maiores economistas do País. "O mercado está vendo isso de forma bem clara, por isso empresários e trabalhadores precisam estar preparados para aproveitar esta onda e surfar na prosperidade", destaca.

Era da atitude
Segundo o palestrante, o país vive um momento diferente. “Ficou para trás a Era da Informação. Hoje estamos no que se pode classificar como a Era da Atitude. Vive-se uma época da hipercompetição, onde existe muito de tudo. Muitos empresários, muitos médicos, muitos enfermeiros, muitos gerentes, muitos advogados, muitas lojas, muitas indústrias. O que faz a diferença em relação ao mercado não é mais o conhecimento, mas a atitude", diz.

Conhecimento hoje todos têm. Se não tiver, basta digitar na internet que a resposta surge em segundos. "Mas a atitude é atributo de poucos, e o mercado está buscando e remunerando profissionais com atitude, não apenas com conhecimento", ressalta Eduardo Tevah. Para ele, entre um sábio vendedor sem resultados e um vendedor analfabeto com atitude e resultado, o mercado escolherá o analfabeto.

"Não significa que estamos desmotivando a busca pelo conhecimento, mas este precisa estar acompanhado da atitude, que é a aplicação prática do conhecimento. A disputa no mercado, em qualquer ramo, é por profissionais que tenham atitude num mundo em que a hipercompetição é a tônica. Só vencerão as pessoas e as empresas que tiverem um diferencial chamado excelência. As pessoas precisam adotar esta palavra chave em suas vidas. Somente assim será possível desfrutar das benesses de um novo mundo que está prestes a acontecer em nosso País", completa o palestrante.

Vestir a camisa
Eduardo diz que um empresário perguntou recentemente: "O que devo fazer para que meus colaboradores vistam a camisa da empresa?" "Olhei fundo nos olhos do empresário e respondi: não faz nada. Faça com que cada um vista a camisa dos seus sonhos e dos seus projetos de vida para que ele possa dar às pessoas que amam a melhor vida possível. Dê condições para que eles usem a empresa para realizar estes sonhos. Nós não precisamos mais de pessoas vestindo a camisa das empresas, mas pessoas vestindo as camisas de suas famílias e dos seus sonhos. Assim, teremos empresas de sucesso com pessoas de sucesso. Faça hoje o que a maioria não faz para ter amanhã que a maioria não terá", finaliza.

Colaboração: Press Log